Funchal distinguido no Dia Nacional das Coletividades pelos apoios ao associativismo

Foto DR.

O Vice-Presidente da Câmara Municipal do Funchal (CMF), Miguel Silva Gouveia, recebeu este fim-de-semana, na Torre do Tombo, em Lisboa, um galardão de Reconhecimento e Homenagem à Câmara Municipal do Funchal, por proposta da Direção Nacional da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto (CPCCRD), por ocasião do Dia Nacional das Coletividades 2018, e que serviu de mote ao 94º Aniversário da Confederação.

A CPCCRD entrega anualmente galardões e distinções às personalidades e entidades que, no seu entender, mais se destacaram no apoio ao associativismo no ano transato.

Segundo uma nota de imprensa, Miguel Silva Gouveia manifestou “contentamento por esta distinção nacional, que vem reconhecer aquele que tem sido o nosso compromisso e o nosso apoio às associações do Funchal, o qual triplicou desde que iniciámos funções, em 2014, ultrapassando, este ano, a barreira de um milhão de euros.”

Os Apoios Financeiros ao Associativismo e a Atividades de Interesse Municipal chegarão, em 2018, a 147 entidades do concelho, outro recorde absoluto e mais do dobro do que as associações apoiadas em 2014.

Miguel Silva Gouveia destacou que “ao longo dos últimos anos, a CMF tornou-se definitivamente num parceiro credível e de confiança, ao qual recorrem privados e associações do concelho, de todas as áreas, um cenário bastante diferente do que aquele que encontrámos quando entrámos em funções. Quem tem ideias para o Funchal, já não hesita em vir falar connosco, não só porque reconhece o nosso critério na atribuição dos apoios, mas sobretudo porque atesta a nossa seriedade e o nosso rigor no que concerne a pagar a tempo e horas.”

Para o autarca, “é esse o melhor feedback que podíamos ter das nossas associações: dizerem-nos que sabem com o que contam, sabem exatamente quanto é que recebem e sabem que recebem a horas. É também por isso que os resultados estão à vista: o Funchal nunca teve tamanha dinâmica desportiva, social e cultural.”

Em quatro anos, a Câmara Municipal do Funchal aumentou em 336% os apoios às associações e clubes do concelho. Em 2014, estes fixavam-se nos 315 mil euros, uma realidade que também era bastante condicionada pelo Programa de Apoio à Economia Local (PAEL), o resgate financeiro assinado em 2012, pelo Executivo anterior, que impunha, entre muitas outras contrapartidas, a redução dos subsídios municipais. O atual Executivo promoveu, desde então, uma subida sustentada deste tipo de apoios, sempre a par e passo da sua gestão financeira rigorosa.

Miguel Silva Gouveia concluiu que “este prémio da Confederação Portuguesa das Coletividades dignifica o trabalho de credibilização que fizemos, com a aprovação de um regulamento para o efeito pela primeira vez na História do Funchal e de toda uma nova lógica de retorno à cidade, bem como reconhece a nova dinâmica que se tem criado nos últimos anos, que transformou os nossos clubes e associações em parceiros fundamentais para o sucesso do Funchal enquanto referência desportiva, social e cultural. É um trabalho em conjunto que nos deve orgulhar a todos, pelo que este prémio também é de todos eles.”