Padre Leonardo Torres em entrevista ao FN: “O Renovamento Carismático é uma corrente de graça para renovar a Igreja”

Como trazer as pessoas à Igreja? O padre Leonardo Roa Torres considera fundamental que os sacerdotes deem “carinho” às pessoas. Fotos FN.

O padre colombiano Leonardo Roa Torres iniciou uma visita particular à Madeira durante um mês e meio. O sacerdote ligado ao Renovamento Carismático Católico tem agendadas, em articulação com a equipa diocesana da Madeira, várias assembleias e retiros para os cristãos vivenciarem experiências novas de Deus. Simples, de acesso fácil e firme na fé, Leonardo Roa Torres explica ao Funchal Notícias que “o Renovamento Carismático é uma corrente de graça do Espírito Santo para renovar a Igreja”. Admite que há hoje muitos cristãos revoltados, porque se encontram “desconetados de Jesus”. As famílias devem habituar os filhos a participarem nas Eucaristias. Quando não vão, os pais devem levar a missa a casa.

 

Funchal Notícias – Com que espírito o padre Leonardo Roa Torres vem da Colombia à Madeira?

Leonardo Roa Torres – É uma alegria voltar à Madeira.  Já são sete vezes que cá venho, desde 1997. Muitas experiências lindas, muitos testemunhos. Ainda há dias pensava, quando estive nos Estados Unidos da América, que não aprendi inglês mas sim português. O Senhor tinha outros planos para mim, e por isso pude vir à Madeira várias vezes e a Fátima (na Comunidade Cristo de Betânia). Tenho feito muitos retiros. É uma alegria estar aqui, com o coração e mente abertos para que o Senhor faça o que ele sabe fazer e tudo vai fluindo. Muitas vezes, estou pregando uma coisa  e as pessoas escutam o que precisam escutar. Frequentemente, as pessoas dizem-me, por exemplo, o padre falou das pessoas que sofriam do coração. Eu não me lembro, mas se essa pessoa assim escutou, pois foi que precisava escutar. Portanto, estou cá na Madeira, durante um mês e meio, para fazer a vontade do Senhor. Muitas vezes tenho um plano, mas quando chego às pessoas, o Espírito Santo move-se à sua maneira e o Senhor vai fazendo a sua obra.

Como trazer à Igreja? Dar carinho…

FN – Nestes tempos de hoje, o que é verdadeiramente preciso fazer para trazer as pessoas à Igreja? Qual o segredo?

LRT – Há um segredo: orar, primeiro.  Pode-se também fazer pequenos sacrifícios, pequenos jejuns, que é uma oração de força. Também é fundamental dar muito carinho. Diz São Francisco de Sales que, mais moscas se apanham com uma gota de mel do que com um vaso de vinagre. Os sacerdotes têm de dar mais carinho, conhecer as ovelhas, visitar as casas, aproximar-se das pessoas para que se sintam amadas. As ovelhas conhecem o pastor e o pastor as ovelhas. Veja-se o Evangelho de São João, em que Jesus perguntou três vezes: Simão Pedro, amas-me? E ele respondeu: Sim, Senhor, sabes que te amo. Repare-se na resposta de Jesus: “Então apascenta as ovelhas”. O que significa isto? Há que trabalhar  pela Igreja e os sacerdotes devem cuidar do seu rebanho, conhecer as suas casas, onde vivem, visitar os doentes, orar, estar com as pessoas… Que cada sacerdote conheça as pessoas velhinhas…

O filho não vai à missa? Então, leve a missa a casa!

Todas as Eucaristias são de cura, inspiradas pelo Espírito Santo.

FRT – No mundo muito marcado pelas divisões e mudanças das instituições, qual é o verdadeiro papel das famílias?

Os pais, desde pequenos, devem orar com os filhos, levá-los aos serviços. Penso que a minha vocação começou com quatro anos. Há 61 anos, O meu pai, todos os primeiros sábados, participava no Rosário da Aurora que se prolongava até quatro e meia da manhã; iam pelas estradas da paróquia, rezavam e eu ia observando… Depois, o meu pai colocava-se na última coluna esquerda e ele levantava-me. Nesse momento, eu dizia: eu quero ser como aquele senhor de branco que está lá. O que quero dizer com isto? Os pais devem levar os filhos às celebrações, dar graças a Deus, enamorar-se das coisas de Deus. Não deixem os filhos entretidos no computador e no telemóvel, simplesmente não querem ir. Curiosamente, não vão e depois os pais oferecem-lhes tudo, computadores, telemóveis… Não pode ser!  É necessário que, de pequeninos, os pais e avós alimentem o espírito. Se os pais continuarem orando e dando muito carinho, as coisas vão certamente mudar… Há pais que me dizem, o meu filho não quer ir à missa, o meu filho não quer vir… Então, eu digo: então, vai levar a missa a casa. Quando regressar à sua casa, vai levar o Amor de Jesus. Muitas vezes, eu mando dar o abraço e beijo de Jesus aos que ficaram em casa. Quando regressam da missa às suas casas, deverão dizer aos seus familiares: Jesus mandou um presente , um abraço e um beijo de Jesus. E o amor de Jesus contagia, toca os corações. Se uma só palavra basta para curar – a palavra Jesus – quanto mais o Amor de Jesus? O Amor de Jesus cura muito mais.

RCC? Um movimento do Espírito Santo para renovar a Igreja

Funchal Noticias – O Padre Leonardo Torres está ligado ao Renovamento Carismático Católico (RCC). Em que consiste verdadeiramente o RCC?

LRT – É uma corrente do Amor de Deus. Uma corrente do Espírito Santo. Começou mais ou menos em 1967, após o Concílio Vaticano II, e representa uma força do Espírito, reavivar o Espírito Santo que está connosco, desde o nosso batismo. Muitas vezes, o Espírito Santo é a pessoa da Trindade Santa mais esquecida. O Espírito é uma força nova para a Igreja. Dizem que não é um movimento mas um movimento de Espírito Santo na Igreja para renovar a Igreja.

FN – Onde e como nasceu exatamente o RCC e de que forma é que o Padre Torres se abriu a esta corrente de graça?

FRT – O RCC nasceu em 1967, numa universidade dos Estados Unidos e foi um explosão do Espírito Santo. E já conta com mais de 50 anos. Em alguns núcleos, os grupos têm mais força, há pessoas mais abertas, inclusive os sacerdotes e bispos ao Espírito Santo, mas também há outros com dúvidas. Tenho 36 anos de sacerdócio e, quando tinha 12 anos de sacerdote, eu ria-me dessas coisas que os carismáticos faziam, porque cantavam, dançavam, falavam em línguas e curavam os doentes. Eu não acreditava. Eu era um sacerdote sério e não ligava a essas coisas.  Mas o Senhor deu-me a oportunidade e fui entrando e conhecendo o Renovamento Carismático, nas suas várias linhas, e levou-me à República Dominicana, onde vivi uma experiência muito especial com o padre Emiliano Tardif. Recordo que este sacerdote já esteve na Madeira, em 1996, e fez uma grande assembleia do RCC no Estádio dos Barreiros. Estive mais de três anos com ele, na Casa da Anunciação, na República Dominicana, e depois na Escola de Evangelização João Paulo II. Uma experiência muito bela e o Senhor foi-me levando até hoje.

O padre deve estar próximo das pessoas, visitá-las, acompanhá-las nas alegrias e tristezas, conhecê-las verdadeiramente.

FN – Qual é, então, a importância do RCC na Igreja de hoje?

LRT – Reviver a graça do Espírito Santo. Assim como o Pai e o Filho estão vivos e trabalham o Espírito Santo, também a promessa do Pai que é reviver os carismas, os dons….

Todas as Eucaristias são de cura

FN – Nas Liturgias ou Eucaristias católicas ditas correntes ou normais, a importância do Espírito Santo não é já tratado ou devidamente abordado?

LRT – Para mim, desde há 24 anos, todas as  Eucaristias são de cura porque é Jesus quem cura. Uma só palavra basta para curar: Jesus! Eu sempre oro pelas pessoas, pelos doentes. Às vezes, o Senhor dá-me palavras de ciência nas Eucaristias ordinárias. Para falar de ciência é um carisma que o Espírito dá. Eu apercebo-me o que o Senhor está fazendo. Para mim, todas as missas, são de cura porque é Jesus quem cura os corações, quem cura interiormente, liberta, dá paz interior…

FN – É um facto que a afluência das pessoas às Eucaristias tem vindo a diminuir e que os múltiplos problemas desta sociedade têm tirado o sorriso a muita gente. Como explica esta tristeza que é transversal ao povo de Deus?

FRT- Porque as pessoas precisam do Espírito Santo. Estamos quase a celebrar a festa do Espírito Santo, Pentecostes, neste domingo. Jesus pregou com os apóstolos, esteve 3 anos, mas faltava o Espírito Santo. Antes da presença do Espírito Santo, os apóstolos eram, permita-me esta imagem, uma espécie de “galinhas” com medo, mas, quando chegou o Espírito Santo, rompeu essas cadeias e essas “galinhas” transformaram-se em “galos de luta”. Pedro pregava com força, com uma sabedoria especial… é isso que se quer do Renovamento, como disse João XXIII, mo Concílio, que o Espírito faça sinais como fez no início da Igreja. Assim, a sabedoria, a força, a cura interior, a cura física, a libertação… Quantas experiências de amor e de serviço acontecem com a força do Espírito Santo! Há muitos carismas e experiências do Espírito Santo. Todas as comunidades religiosas têm os seus carismas. Os movimentos apostólicos têm os seus carismas. Todos do mesmo Espírito. Mas todos devem trabalhar pela unidade. Um alerta: se alguém não trabalha pela unidade, pode colocar interrogações a esse carisma.

FN – Para quem não está dentro do assunto, o que significam exatamente esses carismas de que fala com ardor?

FRT – No início, eu não gostava, por exemplo, do dom de línguas porque não sabia para que servia. Como me considerava um sacerdote sério, não alinhava nesses louvores, danças e nessa inexplicável oração em línguas… Mas, quando o padre Emiliano Tardif fez um retiro do Renovamento aos seminaristas, em França, confrontou-se com uma rapariga que estava muito contaminada. Então, quatro sacerdotes oravam e oravam pela sua libertação. No entanto, levaram uma hora e nada conseguiram. Depois, oraram em línguas e em 5 minutos a jovem ficou libertada. Então, eu pensei, agora já sei para serve o dom de línguas, este importante carisma. São experiências belas. Nós estudamos nos livros, no seminário, na universidade, mas nunca se tem uma experiência assim do Espírito Santo. Eu dou graças. Cada dia são experiências maravilhosas. Sempre que confesso, peço ao Espírito Santo para me dar as palavras certas para confessar. Há dois meses, confessava em Colombia um senhor. Quando orava, dizia que orava pela libertação deste irmão e que o Senhor perdoasse todos os pecados da sua vida, comunhões e confissões mal feitas. Depois, dei-lhe  a minha absolvição e eis que o senhor tremia. Perguntei-lhe o que se passava. E ele respondeu-me: padre, há uma energia. Respondi-lhe: não, não é energia, é o dom do Espírito Santo, uma unção do Espírito Santo que recebeu, porque, precisamente, um dos dons do Espírito Santo é perdoar os pecados. Quando Jesus se apresentou aos apóstolos, estavam fechadas as portas, e disse, eu vos envio como o pai me enviou e soprou-lhes o dom do Espírito Santo, dizendo, a quem perdoarem os pecados, ficarão perdoados.

 

Antes, o padre Leonardo Roa Torres também se achava “um padre sério” e tinha reservas quanto ao Renovamento Carismático. Mas tem vivido longas e belas experiências de Deus que o levaram a mudar.

Deixar-se empapar do Espírito Santo

FN – Neste momento, quais são as orientações pastorais para o RCC?

FRT – A oração para viver em comunidade e deixar-se empapar do Espírito Santo. Trabalhar apostolicamente, com a vivência dos sacramentos. Crer que o Espírito Santo é uma Pessoa Viva. Eu nunca pensei que o Espírito Santo curava. No ano do Espírito Santo, em janeiro de 1998, houve um retiro do Espírito Santo e experimentei pela primeira vez que o Espírito Santo cura como  Jesus cura e como o Pai cura. Já tinha 16 anos de sacerdócio. Pela primeira vez, orei para que Espírito Santo curasse nessa noite e curou uma pessoa com problemas na coluna e noutro dia outra pessoava que tomava comprimidos para dormir.

O mundo está revoltado porque está desconetado de Jesus

FN – A Igreja Católica tem um Papa que é visto como uma brisa fresca no Vaticano. Qual é a sua análise ao Sumo Pontífice?

FRT – O Papa Francisco é uma graça de Deus. O seu discurso é muito simples mas profundo, marcante. Por exemplo, o Papa pede às pessoas para não perderem a alegria e eu também repito isso a todos. Se eu tenho alergia, dou alegria. Muitas vezes, as pessoas lançam veneno para tirar a alegria. Não deixem que vos tirem a alegria, como aconselha o Papa. Outra coisa: há que orar pelo Papa e pela Igreja porque as coisas estão muito complicadas no mundo. O que se passa, então? Muito simples: o mundo está revoltado porque está desconetado de Jesus. Se queres paz, tens de conetar-te com Jesus. O que é conetar-se? Por exemplo, se eu desligo o microfone, não me ouvem. Se desligo a TV, fico desconetado dessa programação. O mesmo acontece, se estou desconetado de Jesus, nada faz sentido, nada me preenche verdadeiramente. É preciso enamorar-se de Jesus, o verdadeiro, aquele que é o Pai, que enviou o seu filho para nos salvar. Não é um buda, um Lutero, um ídolo qualquer, mas Jesus, o Pai que nos ama porque é essencialmente Amor e está vivo em nós.

Breve nota biográfica:

O Padre Leonardo Roa Torres nasceu a 7 de Junho de 1953 na Colombia, em Ibagué – Tolima. Vive na República Dominicana e situa-se na linha do Padre Emiliano Tardif, que já visitou a Madeira, na década de 90, e manifestou poderosamente os dons de cura e de libertação.  O Padre Leonardo Roa Torres chegou à Republica Dominicana a convite do Padre Emiliano Tardif e ali vive desde Janeiro de 1995.

…….

Eventos agendados:

Dia 26 de maio – Assembleia Aberta, hora e local ainda a confirmar.

Dia 27 de maio – Assembleia Aberta das 9h30 às 16h30, na Igreja do Imaculado Coração de Maria, Funchal.

Dias 2 e 3 de junho – Retiro de Casais, na Capela do Bom Jesus das 9h30 às 17h.

Dia 7 de junho – Assembleia na Igreja de Santa Luzia, com o Grupo de Oração – Cenáculo-Vida, pelas 19h00.

Dia 10 de junho – Encontro de jovens na Capela do Bom Jesus das 10h às 17h.


Dias 16 e 17 de junho – Retiro de pessoas que vivem sós na Capela do Bom Jesus das 9h30 às 17h.
Dia 24 de junho – Assembleia Aberta, hora e local ainda a confirmar.

Nota: todas as quartas feiras, pelas 19h00, realiza-se a Assembleia Aberta do RCC, na Igreja do Colégio.

As informações vão sendo atualizadas através do Facebook do RCC-Diocese do Funchal.