Jogadores do Sporting não fazem estágio para a final da Taça, Bruno de Carvalho ausente do Jamor

jesus Mota
Jorge Jesus com José Mota, os treinadores da final da Taça de Portugal, amanhã pelas 17.15 horas no Jamor. Foto Record

A final da Taça de Portugal em futebol é já amanhã, pelas 17.15 horas no Jamor. O contexto, é público, aponta para uma crise infindável do Sporting, na sequência das agressões em Alcochete e da postura que o presidente tem assumido em todo o processo, com uma entrevista antes do decisivo Marítimo-Sporting e com uma conferência, hoje, véspera da final da Taça, para de certa forma responsabilizar os jogadores pelas agressões, dizendo que não vai estar presente no Jamor.

“Estamos a ser alvo de bullying”, disse Bruno de Carvalho, dizendo que “houve atletas do Sporting que não conseguiram aguentar a situação e no Aeroporto da Madeira foram trocadas palavras com os adeptos”, referindo que “Rui Patrício não pode dizer a adeptos, num estacionamento, que sabia que estavam a ser pagos”. Emais à frente: “Não, não vou ao Jamor”, disse o presidente em duas horas de conferência.

Foi mais um dia fértil em noticiário do Sporting. Bruno de Carvalho voltou a falar e o presidente demissionário da Assembleia Geral, Jaime Marta Soares, veio pedir desculpa pelo comportamento do presidente.

Entretanto, a equipa terinou hoje no Jamor e depois disso os jogadores foram para as suas casas, não havendo lugar a estádio para um troféu que o Sporting vai disputar tendo como opositor o Desportivo das Aves treinado por José Mota.

Os técnicos falaram aos jornalistas, lado a lado, apelando cada um à mobilização das respetivas massas associativas. Um momento que procura “salvar” uma final já “ferida” por acontecimentos que impedem, se o Sporting vencer, de fazer a verdadeira festa, como de resto seria uma realidade em condições naturais. Depois, segunda-feira logo se vê, o que será o futuro deste Sporting aos soluços.