Concessão da linha aérea Funchal/Porto Santo termina a 4 de junho e Calado não quer prejuízos para as pessoas

Pedro Calado visita a empresa
Pedro Calado abordou o atraso na resolução do concurso de concessão da linha aérea para o Porto Santo no âmbito de uma visita à empresa Nearsoft.

O Governo Regional não quer que os madeirenses e os portosantenses, mas também os turistas, sejam prejudicados com a situação das reservas de viagens para o Porto Santo, no verão. O concurso para a concessão da linha aérea ainda não está resolvido e o vice presidente, Pedro Calado, diz que, assim, não pode ser.

Calado lembra que “o concurso atual está em vigor até 4 de junho e estamos a 15 de maio, perto da data limite. Já fizemos chegar, por escrito, ao Ministério do Equipamento e Infraestruturas, no sentido de saber como ficam as reservas para viagens aéreas para o Porto Santo. Ainda não obtivemos resposta, mas esperamos que a situação seja resolvida a tempo”

O vice presidente diz que “o processo tem sido conduzido pelo Governo da República, mas o assunto tem sido atempadamente discutido pelo Governo da Madeira, precisamente para evitar situações de impasse que prejudiquem as pessoas”.

As declarações de Pedro Calado foram feitas à margem da visita à empresa Nearsoft, que desenvolve projetos em países como a Irlanda, a Suiça, os Estados Unidos da Amércia, Israel, Guatemala, Colômbia, Peru, Angola, Quênia e Cabo Verde. Do seu portfólio constam ainda parcerias com a Amazon Web Services, Microsoft, Docker e Tactilis.

Esta visita pretendeu “destacar o espírito empreendedor dos empresários madeirenses que lançaram a Nearsoft” . O vice presidente, a esse propósito, disse que se trata de uma empresa de pessoas que “pensaram fora da caixa”, que factura quase cem mil euros por mês e já deu o salto, com clientes em todo o mundo, com mão de obra qualificada, um sinónimo que as nossas empresas têm aproveitado naquilo que tem sido aposta do Governo, na inovação”.