Grupo de Folclore da Boa Nova apresentou o caderno com destaque para Eleutério de Nóbrega


Com Sílvio Mendes

No sábado,  5 de maio de 2018, o Grupo de Folclore e Etnográfico da Boa Nova apresentou o Caderno N.º 4 (Edição Especial), da Coleção “O Trilho”, do Núcleo Museológico de ” Arte Popular”, intitulado “Eleutério Gonçalves Martins de Nóbrega – Um Enciclopédia Viva” – Mourisca com História, Autor: Danilo José Fernandes, Prefácio: Thierry Proença dos Santos, edição do Grupo de Folclore e Etnográfico da Boa Nova.
A cerimónia decorreu no auditório do Centro Cívico de Santa Maria Maior.

Esta publicação está aliada ao projeto do Núcleo Museológico da Instituição, inaugurado há onze anos a esta parte e conta já com cinco trabalho publicado nos últimos dois anos.

O livro tem apoios dos Municípios da Ribeira Brava, Câmara de Lobos e Machico e das Juntas de Freguesia de Santa Maria Maior e de São Gonçalo.
Como refere Danilo Fernandes na introdução desta obra «a sociedade tem por hábito de comentar quando perece uma pessoa ilustre de saberes ancestrais «lá se perdeu mais uma autêntica enciclopédia viva»! Fica o desconforto de que poderiam ter aproveitado muito mais os seus sábios conhecimentos,. muitas vezes fruto de um profundo elo atávico. Falamos do ingrato costume de reconhecer o valor das pessoas, dos seus feitos, conhecimentos e legados apenas em momentos post moten dos mesmos.
Procurando mudar esta prática, dedicamos este trabalho a um homem versado das cultura popular, uma das raras pessoas que ainda possui o talento e sabedoria do tradicional contador de histórias, numa sociedade cada vez mais ecuménica».
Eleutério de Nóbrega, natural a freguesia de São Gonçalo é  um narrador de histórias e um distinto repentista tanto do bailinho, como do charamba e desde sempre cultivou o gosto pelas tradições e histórias antigas. É também agricultor dedicando entre outras atividades à cultura do trigo.
O trabalho agora editado «tem como principal objetivo legar às gerações vindouras os conhecimentos ancestrais na área da etnografia, principalmente dom cancioneiro e das vivência do quotidianos do povo campestre» como sublinha Danilo Fernandes.