Artista plástico madeirense integra exposição coletiva nacional

Diogo Goes
Diogo Goes integra uma exposição coletiva de âmbito nacional, patente em Vila Nova de Gaia, e a sua exposição individual, na Casa Branca do Gramido, em Gondomar, pode ser visitada até sábado, 28 de abril.

O artista plástico madeirense Diogo Goes integra uma nova exposição coletiva de âmbito nacional, intitulada “Para a construção do Museu de Causas” – Coleções de Agostinho Santos – que já está patente no Convento do Corpus Christi, em Vila Nova de Gaia, podendo ser visitada até 20 de maio e contará com a edição de um catálogo.

Esta exposição coletiva dedicada às causas sociais, está inserida nas Comemorações do 44º Aniversário do 25 de Abril, e reune obras de 44 artistas plásticos e autores portugueses já consagrados entre os quais, se destacam: Agostinho Santos, Albuquerque Mendes, Baltazar Torres, Francisco Laranjo, Graça Morais, José Rodrigues e Júlio Pomar, entre outros.

No que se prende com a exposição individual “Caprichos de Goes, em Coleção particular”, de Diogo Goes, a mesma está a decorrer até ao próximo sábado, 28 de Abril, na Casa Branca de Gramido, tutela do Município de Gondomar.

O artista madeirense, ainda sem registos oficiais sobre o número de visitantes, refere uma “grande afluência”, dando conta que os seus trabalhos resultaram ainda numa edição limitada de um catálogo com textos da autoria do vice-presidente da Câmara Municipal de Gondomar, Luís Filipe Araújo, do curador Agostinho Santos e de Diogo Goes.

Diogo Goes é autor de cinquenta exposições individuais e já integrou mais de cento e vinte exposições coletivas em todo o país e estrangeiro. A par da sua atividade artística, é professor universitário e diretor de eventos no ramo empresarial e associativo. Neste momento, como salienta, encontra-se a preparar novas exposições individuais, a revelar brevemente, duas já neste ano, na Madeira, e outra em 2019 no norte do país.