PS quer utentes com acesso ao lugar na lista de espera e defende criação do Provedor do Doente

Vitor Freitas-PS
Victor Freitas anunciou as propostas do PS para a Saúde, a serem apresentadas no Parlamento.

O PS-Madeira vai apresentar, no Parlamento Madeirense, alguma propostas que visam ir ao encontro da população em matéria de Saúde, destacando-se o acesso do utente ao lugar que ocupa na lista de espera para cirurgias, através de um código na plataforma online, além de apostar na criação da figura do Provedor do Doente, a quem os utentes poderão recorrer passado o prazo do “Tempo Máximo de Resposta Garantido”, já em vigor no País e que o PS quer trazer para a Região. Esse “Tempo” é de 180 dias.

O Provedor, segundo o PS, deverá providenciar “a realização da cirurgia através de uma nota de transferência, no caso de ser para outro hospital público do País, ou então do vale cirurgia, que poderá ser para o sistema privado, mas pago pelo Serviço Regional de Saúde”.

Estas propostas foram hoje apresentadas por Victor Freitas, o líder parlamentar socialista, que anunciou a intenção de “certificar as inscrições na lista de espera para cirurgias», devendo o Serviço Regional de Saúde enviar uma carta aos utentes que estão em lista de espera com a data em que foram inscritas na referida lista”.

Esta posição socialista surge na sequência daquilo que considera ter “falhado redondamente” o Programa de Recuperação de Listas de Espera, aprovado em sede de Assembleia Regional.

Os números, segundo o PS, justificam esta posição. E traz a público:  “A lista de espera por uma cirurgia (Bloco, Ambulatório de pequena cirurgia) cresceu de 16.584 em 2015 para 18.699 em 2017, ou seja, mais 2.115. Se a referência for a do número de utentes, no final de 2015 existiam 15.306 doentes à espera de uma cirurgia e, no final de 2017, passou a haver 17.554, o que representa um acréscimo de 2.248 utentes; Em 2012, 2013 e 2014 (nos últimos três anos de mandato do anterior presidente do Governo) foram feitas na Região 20.450 operações, enquanto que com Miguel Albuquerque no Governo e com a implementação do PRC, em 2015, 2016 e 2017 realizaram-se 18.602 cirurgias (menos 1.848)”.