Directora do Ordenamento do Território respondeu a Filipe Sousa

Foto retirada do site da DROTA

A directora regional do Ordenamento do Território e Ambiente veio ontem comentar a declaração do presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz a propósito do mar apresentar-se com uma mancha castanha no Porto Novo. Paula Freitas Menezes referiu que nos últimos dias, toda a costa sul da Madeira foi acometida por um temporal com características excepcionais, “com as consequências por todos conhecidas”.

Ora, argumenta, “em consequência do ocorrido, todas as ribeiras desta vertente têm apresentado um grande volume de escorrências de terra que, ao chegarem ao mar, originam grandes manchas castanhas. Reforçamos que o depósito temporário no Porto Novo tem sido realizado a uma distância de cerca de 60 metros do litoral e a uma altura de 20 metros acima do mar”.

A direcção da DROTA conclui que “numa altura em que devíamos estar todos JUNTOS preocupados em proceder às limpezas necessárias, parece-nos lamentável e até vergonhoso, que se venha fazer aproveitamento político desta situação que resultou em muitos prejuízos para os madeirenses e portossantenses”.