Conferências do Museu de Arte Sacra para debater importância do património cultural e religioso

Neste mês de Março, o Museu de Arte Sacra do Funchal organiza a segunda edição do evento denominado “As Conferências do Museu”, num ano em que o Velho Continente Europa realiza uma ampla reflexão sobre o multifacetado património cultural europeu. A consciência da sua importância é essencial. A participação exige inscrição prévia. As informações necessárias podem ser acedidas em https://conferenciasmasfsite.wordpress.com/

“Questões de Arte Sacra”, esclarece o MASF,  é o mote destas Conferências, que visam contribuir para a reflexão sobre a história insular e dos bens culturais da Igreja Católica, vistos no âmbito deste património europeu cuja relevância se assinala em 2018.

“Cruzar a história e seus legados com o olhar da contemporaneidade é a proposta destas Conferências”, esclarece a direcção do MASF. O programa das mesmas organiza-se segundo dois painéis temáticos, nomeadamente “Expressões do Património Cultural Religioso”, que se assume “como espaço de análise e reflexão em torno da perspectiva histórica e desafios que se colocam aos bens culturais da Igreja, entre o tangível e o imaterial, dos contextos primitivos ao trânsito para museus e exposições, do passado ao contemporâneo”; e  “A Construção do Espaço Sagrado”, que problematiza as fronteiras da definição do espaço vivencial religioso, convocando múltiplos olhares sobre o devir da arquitectura e das artes visuais na mediação com o sagrado, entre os séculos XX e XXI, sa salienta-se.

O enquadramento inicial deste acontecimento cultural regista ainda o contributo de Tolentino Mendonça, padre e poeta madeirense, numa conferência de abertura, cujo tema é “Arte, Mediação e Símbolo: O sentido que vem”.

Já para o encerramento,Guilherme d’Oliveira Martins, coordenador nacional do programa do Ano Europeu do Património Cultural, fará uma intervenção. Ainda no âmbito das Conferências será exibido o filme “Sagrado”, de Nuno Grande, a assinalar o fecho de dois dias de partilha de conhecimentos em torno da arte, do património e da museologia.

O Museu de Arte Sacra do Funchal, no centro da urbe, acolhe anualmente aproximadamente 15 mil visitantes. Destes, 95% são turistas. Mas os serviços educativos promovem anualmente visitas gratuitas para cerca de três mil jovens e estudantes.

As conferências começam no dia 1 de Março com uma alocução d0 director do Museu, João Henrique Silva. Segue-se, às 10h15, a conferência de Tolentino Mendonça, seguida de debate. Na parte da tarde, decorrerá o painel 1, “Questões de Arte Sacra: Expressões do Património cultural religioso”, onde será moderador Duarte Nuno Chaves, da Universidade dos Açores. Nuno Saldanha (IADE – Universidade Europeia) falará às 14h30 sobre Arte Sacra, Culto, Cultura e Património. Meia hora mais tarde, Maria Isabel Roque, da Universidade Europeia, discorrerá sobre o tema “A Arte Sacra: museus e exposições numa sociedade secularizada”. Às 15h30, Helena Rebelo (Universidade de Aveiro/Universidade da Madeira) aborda “A Tradição das “Saloias” nas visitas das insígnias do Espírito Santo na Região Autónoma da Madeira: musealizar um património imaterial?”

Às 16h15, Sandra Saldanha, do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja, falará sobre a gestão e missão cultural dos mesmos. Já pelas 16h45, Joaquim Ganhão, do Museu Diocesano de Santarém, irá abordar esta instituição e “A face visível de um alargado projecto de salvaguarda e valorização do património cultural da Diocese”. Segue-se debate, novamente moderado por Duarte Nuno Chaves.

No dia 2 de Março, o painel 2, onde as questões de arte sacra em foco serão desta vez “A construção do espaço sagrado”, será moderado por Duarte Caldeira, do Gabinete de Projectos Massa Cinzenta. Pelas 9h30 Bernardo Pizarro Miranda, do Instituto Universitário de Lisboa, abordará o assunto “Existe uma arquitectura religiosa?”, e meia hora mais tarde, a natureza dessa mesma arquitectura em Portugal, nos sécs. XX e XXI, será a temática da palestra de João Alves da Cunha, da Universidade Católica Portuguesa. João Norton Matos, da Faculdade Jesuíta de Paris, irá proferir uma alocução intitulada “Artes e arquitectura na mediação do sagrado”, seguindo-se, às 11h15, uma intervenção de Martinho Mendes, sobre a arte sacra na Madeira, na perspectiva “O contemporâneo artístico no espaço religioso”. Às 11h45, Joaquim Félix, da Universidade Católica, falará sobre “Arte litúrgica com amor: Criações das novas capelas de Braga”. Segue-se debate, havendo depois um almoço. À tarde, pelas 15 horas, será projectado o documentário “Sagrado”, de Nuno Grande. Finalmente, às 16 horas Guilherme d’Oliveira Martins deixará a sua mensagem. A sessão de encerramento terminará com uma alocução de João Henrique Silva.