Presidentes de Junta chamam mentiroso a Carlos Pereira, exigem desculpas e ameaçam com queixas, inclusive ao MP

Carlos Pereira: um líder sob fogo dos presidentes de Junta do seu próprio partido na Madeira. (Foto Rui Marote)

Os presidentes de Juntas de Freguesia de cor socialista e apoiantes de Emanuel Câmara à presidência do partido queixam-se de que hoje, o líder do PS-Madeira, Carlos Pereira, “lançou ataque sem precedentes” sobre os mesmos, “com acusações demasiado graves, para que fiquemos calados, sem resposta”.

Num comunicado enviado às Redacções,  Duarte Luís Fernandes Caldeira Ferreira, Paulo Bruno Ferreira, António José Gouveia Gomes, Gonçalo Aguiar, Daniel Magno Mendonça, e Duarte Gil Caldeira Fernandes, respectivamente, presidentes da Junta de São Martinho, da Junta de Freguesia de São Gonçalo, da Junta de Freguesia de São Pedro, da Junta de Freguesia do Imaculado Coração de Maria, da Junta de Freguesia de Água de Pena e da Junta de Freguesia do Porto da Cruz, consideram que Carlos Pereira disse que esses mesmos presidentes de Junta usaram a influência dos seus cargos para pressionar militantes que recebem apoios das respectivas Juntas, para que apoiassem a candidatura de Emanuel Câmara. Caso não o fizessem, não teriam os apoios que habitualmente recebem.

Ora, afiançam, o que o actual líder do PS-Madeira afirmou “é mentira, é ofensivo e coloca em causa o bom nome dos autarcas em questão, assim como do Partido Socialista”.

Por isso, vêm a terreiro exigir um pedido de desculpas públicas por parte do actual líder dos socialistas madeirenses, e que o mesmo “questione o que faz no Partido Socialista”, pois, no entender dos autarcas, “pessoas que fazem o que este senhor fez, não têm lugar no PS”.

“O senhor Carlos Pereira está desenquadrado com os princípios do Partido Socialista, está completamente desorientado, proferindo calúnias desde que soube que havia uma outra candidatura à liderança do PS-Madeira, mas a calúnia e a desorientação têm limites e hoje foi claramente ultrapassado”, fulminam.

“Por sentirmos que a nossa honra foi colocada em questão, enviaremos para as comissões de jurisdição do Partido Socialista, uma queixa formal, assim como iremos ponderar uma queixa formal ao Ministério Público”, ameaçam.