Viticultores queixam-se de passar o Natal “sem o dinheiro das suas colheitas”

 

Desenho de José Alves

Uma agremiação intitulada “Viticultores Unidos da Madeira” enviou um comunicado à nossa Redacção dando conta de que hoje, já dia 27 de Dezembro, os viticultores da Madeira ainda esperam pelo pagamento das suas colheitas.

“É a primeira vez que isto acontece, muitos viticultores estavam contando com este dinheiro para pagar contas e fazer as suas compras de Natal e pela primeira vez passamos o Natal de bolsos vazios. Vendemos mais de metade da produção a um preço muito baixo e ainda nos fazem isto”, queixam-se.

Os viticultores queixam-se de ser “cada vez mais pobres e explorados”, e afirmam não compreender como é que aumentam os lucros das casas de vinho e as exportações de Vinho Madeira, em contraste com a sua situação. “Exigem-nos fazer IRS, pagar segurança social, fazer cursos para tudo e mais alguma coisa e depois andamos aflitos para vender as nossas uvas cujo custo de produção é cada vez mais elevado porque a mão-de-obra é cada vez mais cara, os fertilizantes e os produtos para combater as pragas da vinha também estão cada vez mais caros mas os nossos lucros são cada vez mais reduzidos”, denunciam.

Esta missiva dos viticultores critica severamente Humberto Vasconcelos, referindo que “depois que tomou posse como Secretário da Agricultura e Pescas está a causar estragos na agricultura, pecuária e pescas da Madeira como um elefante solto dentro de um armazém de porcelanas”.

“Não conseguimos compreender como o Sr. Presidente do Governo ainda o mantém em funções pois já vimos outros secretários caírem por muito menos”, fulminam.

“No passado dia 18 de Setembro de 2017 fizemos pressão por esta mesma via para que não fossemos roubados, já que apenas nos queriam pagar 0,50€ por cada Kg de uvas. Rapidamente o Sr. Presidente do Governo Regional da Madeira mandou os presidentes de câmara assumirem custos de transporte e foi posta toda a máquina de propaganda a funcionar porque haviam eleições em Outubro, senão, íamos receber mesmo só os tais 0,50 Euros por cada Kg de uvas mas agora que já não há eleições próximas, deixam-nos à espera. Não há dinheiro para nos pagarem? A Madeira vai precisar de um segundo resgate? O que sabe o Sr. Dr. Humberto Vasconcelos que o resto dos madeirenses não sabe? Está o Ministério Público a investigar tudo isto e por isso não podem movimentar dinheiro para nos pagar? Digam o que se passa porque temos contas para pagar e não temos dinheiro!”, concluem os viticultores.