Crónica Urbana: Os números do charter são outros…!

Rui Marote

Saber negociar é o segredo do negócio. Pedro Calado não dorme em matéria de números. O Governo Regional não vai desembolsar 55 mil euros, conforme foi anunciado em parangonas na imprensa regional para esta operação de cariz social, uma vez que o executivo madeirense decidiu beneficiar os estudantes carenciados  para viajar nesta quadra festiva. As contas são outras e o Funchal Notícias divulga em primeira mão os valores acordados, 26.000 euros e não 55,000 euros. A tripulação do Airbus, pilotos e assistentes, que será madeirense, por solidariedade oferece o seu trabalho gratuitamente. As refeições a bordo são oferecidas pela Empresa de Cervejas da Madeira, Brisa Maracujá, e bolo de mel pelo Engenho da Calheta e Fábrica do Ribeiro Seco. Se é um charter, como é
óbvio, não pode beneficiar das indemnizações e dos regulamentos em vigor de um voo normal.
As agências de viagens que vendem os bilhetes serão reembolsadas em1 0 euros, tarifa idêntica aos bilhetes da TAP.
Abrimos um parágrafo para manifestar que o madeirense é inimigo do próprio madeirense; sabemos que existem agências de viagens que chegaram a pedir 50 euros pelos seus serviços. Abrenúncia!!! Onde está a solidariedade…? Ninguém trabalha de borla, mas aproveitar-se de um voo charter para obter uns miseráveis euros numa altura que os madeirenses deveriam estar unidos por uma causa nobre… Pelas nossas contas, o Governo Regional deverá subsidiar os 170 passageiros  por um custo de 11 euros cada um.
O nosso último reparo será para aqueles “mamões” que vendem viagens a 400 euros: quanto ganham nestas operações ? Parabéns ao vice-presidente. “Olho no Preço”! A culpa não é da TAP mas tem um rosto… de quem  negociou este subsídio!