A saga dos porcos continua lá para os lados do Trapiche!

Uma leitoa nas traseiras da Casa de Saúde São João de Deus.

A saga do porcos! Não é nenhum filme mas a notícia que o Funchal Notícias publicou a 6 de dezembro teve sequelas.

Em vésperas de Natal, a Casa de Saúde São João de Deus continua a abater porcos nas suas instalações.

Contaram ao Estepilha que é uma roda viva para os lados do Trapiche.

Oficialmente, a instituição jura a pés juntos que não há carne de porco a entrar ou a sair.

Mas fontes bem colocadas sussurraram aos ouvidos do Estepilha que, umas vezes viva outras em carcaças já (bem) amanhadas, a peste suína (salvo seja!) vai e vem.

A que vem é trocada por leitões, a que sai, já amanhada, tem destino certo, em jeito de gracinha de Natal.

O Estepilha não vai nessa conversa nem embarca na má língua!

Mas sabe somar dois mais dois. E sabe que a exploração pecuária tem mais de 9 cabeças de gado.

Também sabe, porque no Laranjal ecoam gritos estridentes, que a matança de porcos não se faz apenas uma ou duas vezes.

Aos ouvidos da vizinhança até chegam gritos madrugadores, dizem que por causa de um tratador que teima em levantar-se antes das 5 da manhã para cuidar do bichos.

Ninguém está fora da lei! Caso contrário, o Estepilha não tem dúvidas que as autoridades já teriam a(u)tuado. Quer as Atividades Económicas, a GNR, a fiscalização municipal, as competentes autoridades veterinária, sanitária, ambiental, etcetra e tal.

“É só inveja!”, como reza a canção?!

O Estepilha deixa a resposta para as autoridades competentes, na certeza que não confunde a árvore com a floresta. Ou seja, não confunde o meritório serviço prestado pela instituição com questões de lana… suína!

Febras, banha de porco, presuntos, torresmos? O Estepilha é muçulmano e, sendo o porco um animal imundo, abstém-se.