Câmara de Lobos, uma Cidade de Aprendizagem


Não podia deixar terminar o corrente ano civil, sem opinar sobre a feliz atribuição pela UNESCO  (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) do galardão, Cidade de Aprendizagem 2017, a Câmara de Lobos.
Na realidade, nos últimos anos, Câmara de Lobos tem estado, constantemente, por boas razões, nas luzes da ribalta – só não vê, quem não quer ver mesmo –, obtendo excelentes resultados nas mais diversas áreas, como: culturais, sociais, ambientais, educativas e desportivas.
Assim, perante esta orgulhosa distinção, estão de parabéns todos os envolvidos, no processo de educação, nomeadamente, os cerca de vinte estabelecimentos de ensino que o município de Câmara de Lobos possui e toda a comunidade educativa, pois o sucesso de uma terra, só é possível quando há, efetivamente, o envolvimento responsável de todos.
O projeto que engloba a Rede das Cidades de Aprendizagem da UNESCO foi aprovado em 2013, na Declaração de Pequim, sobre Aprendizagem ao Longo da Vida para todos. Tem como prioridade promover a inclusão, a prosperidade e a sustentabilidade. A ideia, é que os municípios galardoados orientem as suas políticas públicas de forma a promover a educação ao longo da vida, dentro e fora do espaço escolar.
A Rede integra as cidades que são mais capazes de responderem às necessidades de aprendizagem dos seus cidadãos, de utilizar os recursos de uma cidade, de maneira mais eficaz. São ainda objetivos: promover a igualdade, a justiça social, manter a coesão social, e de criar uma prosperidade sustentável para todos.
Até à data, Portugal integra nesta Rede 8 Cidades de Aprendizagem, a saber: Câmara de Lobos; Mação; Cascais; Anadia; Lagoa; Praia da Vitória; Gondomar e Pampilhosa da Serra.
No presente ano, Câmara de Lobos foi a única cidade portuguesa a ser agraciada com o prémio Cidade de Aprendizagem. Além do Município de Câmara de Lobos, foram galardoadas com o Prémio da UNESCO “Cidade de Aprendizagem 2017”, outras 15 cidades mundiais, que passamos a mencionar: Bristol no Reino Unido, Gelsenkirchen na Alemanha, Larissa na Grécia, Limerick na Irlanda, Pécs na Hungria; Giza no Egipto, Mayo-Boléo nos Camarões, Nzerekoré na Guiné-Conacri, Tunes na Tunísia; Hangzhou na China, Okayama no Japão, Suwon na República da Coreia, Surabaya na Indonésia; Contagem no Brasil e Vila Maria na Argentina.
O prémio foi entregue às cidades premiadas durante a terceira Conferência Internacional sobre Cidades de Aprendizagem em Cork, na Irlanda, que decorreu entre 18 a 20 de setembro de 2017.
Em relação a Câmara de Lobos, a UNESCO destacou, e bem, o empenho que o município tem feito na promoção da qualidade de vida da população sénior (Universidade Sénior, dinamizada pela Casa do Povo de Câmara de Lobos com o apoio da Câmara Municipal, Centros Comunitários, Centros de dia) e o trabalho em parceria, através do envolvimento dos agentes e instituições locais e/ou regionais, bem como da população.
Câmara de Lobos aderiu à Rede Cidades de Aprendizagem em junho de 2016, tornando-se assim membro da Unesco Global Network of Learning Cities (GNLC). Através desta rede passou a beneficiar de apoio ao nível das práticas de aprendizagem ao longo da vida, possível através do diálogo e partilha, tendo como objetivo o desenvolvimento de instrumentos para estimular e reconhecer o progresso das cidades de aprendizagem.
A rede Aprendizagem ao Longo da Vida é uma plataforma internacional dinâmica que visa potenciar a troca de ideias e boas práticas entre as cidades, sobre abordagens eficazes para construção de cidades de aprendizagem cada vez mais sustentáveis.
Não há um grande município se a educação para todos, não for realmente uma prioridade. A escola é um lugar de humanidade, isto é, de arte, de cultura, e de ciência que forma as pessoas. Assim, a aposta na educação, é uma condição necessária do desenvolvimento da sociedade.
Vejo, com muito bons olhos, esta prestigiada distinção como o reflexo do sucesso de algumas políticas educativas e culturais inclusivas, como um bom exemplo de proximidade, que município de Câmara de Lobos vem implementando, ativamente, ao longo dos últimos anos junto da comunidade.
Pois nas sábias palavras de António Nóvoa, “Ler livros, dá muito trabalho. A música dá muito trabalho. A matemática, também. Mas é nessa “dificuldade” que está a chave da educação. Não é fácil educar num tempo de gestos superficiais, de palavras irresponsáveis. Mas é preciso. Só se educa por exemplo. É por isso que os bons professores são necessários. Nada os substitui. Na educação, nada substitui a relação humana.” Fonte: In Jornal de Letras, Artes e Ideias, 2017.
Após este feito, acreditamos que o município de Câmara de Lobos, que detém uma das maiores comunidades educativas da região, irá no mínimo manter a acertada política de investimento na educação, e dar continuidade às diversas iniciativas que tem no terreno como a atribuição do Prémio de Mérito Escolar “Joaquim Pestana”, a atribuição das bolsas de estudo, a realização do seminário da educação, o apoio à participação das escolas no projeto educativo Eco-escolas, o Conselho Municipal de Educação e a Carta Educativa Municipal, a continuação como membro pioneiro da Rede Territorial Portuguesa de Cidades Educadoras, entre outras ações e iniciativas que contribuam de forma efetiva para a melhoria da qualidade do ensino.
Estes resultados provam que a autarquia de Câmara de Lobos tem sido um parceiro ativo na defesa de uma educação de qualidade.
Uma cidade de aprendizagem mobiliza imensos recursos humanos e técnicos para promover a aprendizagem inclusiva com toda a comunidade, criando uma cultura de aprendizagem ao longo da vida. Por isso é que precisamos de debate, reflexão, consenso, e ação constante à volta desta temática da educação. Pois as gerações futuras não nos desculparão se não assumirmos a educação como uma área de grande relevância estratégica de desenvolvimento junto da comunidade.
É um enorme orgulho fazer parte de um município que integra uma lista de 16 cidades mundiais, agraciados por terem dado oportunidades de acesso à educação e aprendizagem ao longo da vida, aos seus cidadãos.