Conselho Presbiteral da Diocese manifesta apoio ao bispo e repudia “carta enviada ao Papa”

De acordo com um comunicado emitido pela Diocese do Funchal, o Conselho Presbiteral da Diocese aprovou um voto unânime de repúdio contra “uma suposta carta, enviada ao Papa, publicado na edição de ontem no JM”. A informação foi dada na sequência de uma reunião ordinária do supracitado organismo, presidida pelo bispo D. António Carrilho.

A informação da Diocese refere o Conselho Presbiteral “manifestou ao Bispo Diocesano o seu apoio e solidariedade”.

A dita carta, a que o JM referia, apresentava várias queixas contra o bispo do Funchal.

Entretanto, o Programa Pastoral da Diocese para 2017/2018 e o Calendário Geral foram apresentados aos padres “como fruto de uma caminhada de trabalho conjunto, que agora importa implementar nos vários âmbitos da pastoral diocesana. Os representantes de cada Arciprestado expuseram as actividades juvenis já previstas para o ano pastoral. Foi apresentada ao Conselho uma síntese das respostas dadas pelos Arciprestados ao questionário do documento preparatório do Sínodo dos Bispos”.

O padre Rui Pontes, director do Secretariado da Família, apresentou o capítulo VIII da Exortação do Papa Francisco “A alegria do amor” (AA) e os desafios pastorais colocados na actualidade. A Igreja, defendeu, “tem a missão de reacender a nova luz e esperança a quem anda nas trevas e a viver dificuldades. As famílias devem ser mais protagonistas na própria pastoral familiar e acreditar na sua dimensão profética e testemunhal. É necessário voltar a olhar para o Matrimónio como uma vocação e preparar os jovens para a vida matrimonial encontrando novas formas para acompanhar os casais novos nos primeiros anos de vida conjugal. Todas as pessoas são chamadas a desenvolver-se em constante dinamismo de crescimento e amadurecimento. Diante do fracasso da separação, o sacerdote deverá acompanhar os interessados pelo caminho do discernimento, segundo a doutrina da Igreja e as orientações do bispo. O discernimento não poderá jamais prescindir das exigências evangélicas de verdade e caridade (AA, 300). Não há condenações, mas há sempre um caminho a fazer e a realizar com as pessoas rumo a uma plenitude e maior integração, na vivência da verdade da sua situação concreta”.

O Conselho abordou por outro lado o destino a dar à “Renúncia do Advento” deste ano, e tendo em atenção às múltiplas necessidades sentidas actualmente, decidiu-se orientá-la para o Fundo Social Diocesano de maneira a dotá-lo de capacidade para continuar a atender a um maior número de situações de maior necessidade, conforme os casos apresentados pelos párocos. O ofertório será realizado nos dias 6 e 7 de Janeiro, sábado e domingo da Solenidade da Epifania e deve ser entregue na Cúria diocesana com maior brevidade.

O Conselho tomou, ainda, conhecimento da data e da nova modalidade horária para a habitual Semana de Actualização do Clero, no Seminário Diocesano, que será das 9h30 às 14h de 22 a 25 de Janeiro de 2018, refere o mesmo comunicado de imprensa. Foram também apresentados vários temas para a jornada, do qual se destaca a reflexão sobre os jovens, a fé e o discernimento vocacional.  As jornadas para os Consagrados e Leigos, realizar-se-ão nas noites de 23 a 25 de Janeiro.

Foi, ainda, sugerida a criação de uma comissão para o estudo de orientações pastorais sobre a iniciação cristã e os passos necessários para a criação da Missão Madeira, semana de evangelização com os jovens. Retiros para o Clero: 1º turno de 2 a 6 de Julho, e o 2º turno de 3 a 7 de Setembro. O Simpósio do Clero será de 4 a 7 de Setembro, informam-nos.

Foi sugerido, como resposta ao desafio do Papa Francisco na carta do Papa Misericordia et misera, o primeiro Domingo da Quaresma como Domingo da Palavra.

A próxima reunião do Conselho ficou marcada para o dia 14 de Março de 2018, conclui a nota.