Estepilha: fica bem saber reconhecer o erro

Rui Marote
Ora aqui está um bom exemplo para demonstrar que na política o “Quero, Posso e Mando” está a mudar.
Assumiu funções governativas há relativamente pouco tempo, e deu a cara pedindo desculpas por uma ordem emanada  de um pelouro da sua vice-presidência, sem grandes dramas.
O Funchal Notícias noticiou uma ocorrência que impediu recentemente os táxis no Porto do Funchal de estacionarem nos locais habituais que lhes foram atribuídos no cais Sul (Pontinha) devido ao reabastecimento de gás ao paquete Aida Prima, por motivos de uma segurança rigorosa. Esta operação foi inaugural em portos nacionais, e mundial em ilhas.
Pedro Calado, que tomou conhecimento da ocorrência através da leitura atenta do nosso jornal online, assunto que foi rectificado e não passou de uma tempestade num copo de água, sendo imediatamente corrigida.
Na parte da tarde quando se deslocou ao porto do Funchal para inaugurar, fez questão à chegada e no final do acto oficial de falar com os taxistas e manifestar desculpas pelo acontecimento, dando explicações, uma vez que o perímetro ultrapassou o previsto.
A imagem captada mostra a forma descontraída com que Pedro Calado assumiu o mal entendido, conquistando a simpatia dos taxistas. Uma boa lição para outros governantes, que fogem muitas vezes a estes confrontos de diálogo. A frase quero posso e mando com certeza  está riscada do dicionário deste político. Ficou-lhe bem, Estepilha!