Estepilha: o clero não dá o exemplo no consumo dos produtos da Região, no que concerne ao vinho de missa

Rui Marote
Estepilha… Chamou-nos a atenção. e não resistimos. Fotografámos os caixotes de lixo da Sé, em especial o destinado à reciclagem de vidro, posicionados nos arredores do templo manuelino situado no centro do Funchal. Ficámos impressionados com a quantidade de vinho de missa da região do Douro-Porto, um consumismo utilizado (e por vezes apreciado) pelos sacerdotes na santa missa.

Ora, a quantidade de garrafas era tanta que até nos apeteceu invocar a Bíblia, que diz em Efésios 5:18: “E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito.”
Mas admitamos: o primeiro milagre de Cristo foi transformar a água em vinho. Há milénios que essa bebida que provém das uvas é tão apreciada.
Nos dias de hoje o Estepilha recomenda, no entanto: porque não utilizar o “sumo” da uva regional na consagração, evitando o consumismo de importação de um vinho produzido fora da Região? Fica a sugestão. Até porque, como documentam as imagens, parece que o clero da Sé é fiel à produzida na RAM.