Carlos Rodrigues critica “mentiras” do Estado aos madeirenses, em matéria de Saúde

O grupo parlamentar do PSD foi a São Martinho, à zona onde está prevista a construção do novo hospital, onde aproveitou para denunciar “mais uma desconsideração” em relação às pretensões “do povo da Madeira”. Dizem os social-democratas que nas vezes em que o primeiro-ministro António Costa visitou a Madeira, prometeu, “até de forma solene”, que o Estado português apoiaria a construção da nova infraestrutura de saúde.

No entanto, disse o deputado Carlos Rodrigues, “da análise que nós podemos fazer dos dois últimos orçamentos de Estado, essas promessas não se materializaram. Em 2017 não tivemos qualquer materialização dessa vontade e dessa promessa, apenas a referência à constituição de um grupo de trabalho”.

Carlos Rodrigues insinuou que nem havia qualquer vontade de constituir esse grupo, sendo este apenas uma forma de protelar as decisões, tendo sido constituído apenas 11 meses depois da promessa efectuada. Além do mais, os dois representantes do Estado são dois elementos do Conselho de Finanças Públicas, que chumbou o novo hospital como projecto de interesse comum.

Em 2018, o Orçamento do Estado não traz qualquer referência ao novo hospital da Madeira, o que causa natural desalento e é a “defraudação das expectativas do povo da Madeira”, insistiu.

As promessas socialistas, disse Carlos Rodrigues, são “fraudes, mentiras”.

No OE não se vêem também, diz o PSD, quaisquer referências ao pagamento de dívidas que ascendem já a mais de 16 milhões de euros, que o Estado deve à RAM relativamente aos subsistemas de saúde. Cuidados de saúde que são prestados a agentes da Polícia, a militares e da ADSE (funcionários públicos e professores) que são prestados pelo Sistema Regional de Saúde mas que não são reembolsados pelo Estado.

Esse pagamento não foi feito o ano passado e não é feito em 2018. “Cada ano que passa, esse valor aumenta”, denunciou Carlos Rodrigues.