Fotorreportagem da Assembleia Municipal do Funchal que elegeu Mário Rodrigues para presidente

Raquel Coelho (PTP) recebe as últimas indicações sobre o sentido de voto? Fotos Rui Marote

(Com Rui Marote) Por um voto se ganha, por um voto se perde. Assim é a democracia. E, ontem, na Assembleia Municipal do Funchal, Mário Rodrigues (PSD) foi eleito presidente por um voto de diferença.

Roberto Vieira e os três deputados do CDS  Gonçalo Pimenta, Carla Baptista e Pedro Araújo. O sentido de voto deste lado foi claro na eleição de Mário Rodrigues.

A lista encabeçada por Rodrigo Trancoso (BE) ‘morreu na praia’ graças a negociações bem sucedidas por parte do PSD.

A política tem destas coisas, hoje adversário, amanhã aliado!

Legenda aberta: O que diz Rubina Leal a Paulo Cafôfo?

O voto é secreto pelo que não se sabe quem “roeu a corda”, quem viabilizou o quê. Há suspeitas mas o voto não tem nome nem rosto.

Paulo Cafôfo e o novo vice-presidente, Miguel Gouveia: “Só nós dois é que sabemos…”

A 1 de outubro último, para a Assembleia Municipal do Funchal, a coligação ‘Confiança’ elegeu 15 deputados. O PSD elegeu 12, o CDS 3 e a CDU, PTP e ‘Nova Mudança’ um deputado cada.

Passagem de testemunho na vereação do CDS. Aquele abraço entre José Manuel Rodrigues e Rui Barreto.

Com um empate nas 10 Juntas de Freguesia (5/5), o voto decisivo estava nas mãos dos três pequenos CDU, PTP e ‘Nova Mudança’.

A ‘Nova Mudança’ negociou com o PSD um cargo na mesa da presidência (Roberto Vieira). Os outros ficam no segredo dos deuses!