Câmara lança percurso da geodiversidade no centro do Funchal

Foto DR

A Câmara Municipal do Funchal (CMF) lançou, no passado Dia Mundial do Turismo, um Percurso da Geodiversidade do Centro Histórico do Funchal, orientado pelo geólogo e professor João Baptista, e que dá a conhecer o património geológico da cidade, interligando as ciências da natureza, a História e a arquitetura, numa perspetiva cultural, turística e ambiental.

Idalina Perestrelo, a Vice-Presidente da Câmara Municipal do Funchal, enalteceu que, com ele, “a Autarquia pretende aumentar o tempo de permanência dos visitantes em diversos pontos nevrálgicos da cidade, ajudando a dinamizar o comércio local e, ao mesmo tempo, a promover a atividade física, a saúde e o bem-estar.” A autarca frisou, ainda, “a mais-valia que este percurso representa para a comunidade escolar que, cada vez mais, deve sair de dentro das quatro paredes, para descobrir este património geológico, que faz do Funchal um museu a céu aberto.”

João Baptista revelou, por sua vez, que este é “o primeiro e único percurso do género a nível nacional e europeu” e que é, por isso, mais uma ferramenta de referência para continuar a qualificar o produto turístico do Funchal. A Autarquia sublinha, de resto, que a Estratégia Municipal de Turismo, lançada no início do ano passado, com esse propósito central, já está neste momento cumprida, tendo contribuído decisivamente para o efeito.

“Somos conhecidos na Madeira por termos um turismo terapêutico e ligado à Natureza e penso que, desta forma, estamos a criar novos nichos de mercado”, defendeu João Baptista. O Percurso da Geodiversidade do Centro Histórico do Funchal integra os núcleos históricos de Santa Maria, Sé e São Pedro e apresenta um grau de dificuldade baixo, tendo boa acessibilidade e podendo ser percorrido durante uma manhã ou tarde. É composto por 22 pontos de paragem, incluindo quatro locais com vistas panorâmicas, numa extensão de 7 quilómetros. Qualquer pessoa pode fazer este percurso, estando o mesmo disponível em português e inglês, no portal Visit Funchal:
http://www.visitfunchal.pt/images/site/Percurso_da_Geodiversidade_ENG_WEB_FINAL22_09.pdf

Após a descoberta da ilha, em 1420, o homem insular soube, de forma sábia e engenhosa, aplicar a pedra natural de origem vulcânica na arquitetura civil, militar e religiosa, captar a água através de poços, cisternas e nascentes e conquistar território, pelo que o Funchal pode ser considerado um “Geomuseu” em espaço natural, com forma de anfiteatro, ocupado por ribeiras e vales, montes e montanhas, picos e cabeços, lombos e achadas, poios e socalcos atravessados por levadas, todo um património que a Câmara Municipal do Funchal entende ser de interesse público promover e preservar.