Perto de 100 trabalhadores “subiram” na Função Pública por terem melhorado habilitações

grafico A
No âmbito da mobilidade intercarreiras, 96 funcionários já foram promovidos na Função Pública.

O Governo Regional está neste momento a analisar vários pedidos de mobilidade intercarreiras para efeitos de promoção na Função Pública. Os números apontam para 96 o número de funcionários da Administração Pública Regional que, desde 20 de abril de 2015, já beneficiaram dessa “subida” devido a terem melhorado as suas habilitações literárias.

De acordo com dados a que o FN teve acesso, desses 96 trabalhadores, 68 viram as suas carreiras progredirem na sequência de licenciaturas e 28 na sequência da conclusão do ensino secundário. Os primeiros progrediram de assistente técnico para técnico superior e os segundos de assistente operacional para assistente técnico.

Secretaria da Inclusão à frente

O serviço que teve mais trabalhadores a serem promovidos na carreira foi o da Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais, com 31 promoções: 19 a técnicos superiores e 12 a assistentes técnicos. Foi mesmo desta Secretaria, então sob a liderança Rubina Leal, que mais propostas chegaram para reclassificação de funcionários, seguindo-se a secretaria regional da Educação, com 29 promoções que incluíram 19 a técnicos superiores e sete a assistentes.

As secretarias regionais do Ambiente e Recursos Naturais e da Agricultura e Pescas registaram o mesmo número de mobilidade intercarreiras: 9. A segunda registou apenas casos de subidas para técnicos superiores e a primeira registou uma situação de promoção a assistente técnico e as restantes para técnicos superiores.

Oito funcionários abrangidos nas Finanças

A Secretaria das Finanças contabilizou 8 funcionários abrangidos (4 técnicos superiores, 4 assistentes técnicos), na dos Assuntos Parlamentares e Europeus foram 6 (4 técnicos superiores e dois assistentes técnicos) e na Saúde dois casos (ambos para técnicos superiores).

Na Presidência registaram-se cinco promoções por mobilidade, todas na Direção Regional da Administração Pública do Porto Santo, sendo dois para técnicos superiores e três para assistentes técnicos.

Mais mobilidade no Instituto de Segurança Social

Naquilo que se prende com os serviços, foi no Instituto da Segurança Social da Madeira que houve mais trabalhadores a beneficiarem da mobilidade: 26, sendo 15 para carreira superior e 11 para assistente técnico.

Seguem-se serviços como as direções regionais de Agricultura (7), Educação (6) e Administração Pública do Porto Santo (5) e dos institutos das Florestas (6) e da Qualificação Profissional (4).

Com três trabalhadores com mobilidade temos direções regionais como a do Desporto e a do Orçamento e do Tesouro e o Instituto de Emprego. E com dois o Parque Natural, as direções regionais dos Assuntos Europeus e dos Edifícios Públicos, a escola secundária Luís Dantas, o gabinete do Secretário da Educação, o IDR e o Serviço da Defesa do Consumidor.

De acordo com os mesmos dados obtidos junto da secretaria regional das Finanças, existiram ainda situações isoladas no gabinete do Secretário Regional da Agricultura, nas direções regionais do Ambiente, do Planeamento e Obras Públicas, das Pescas, da Administração Pública e Modernização Administrativa, de Património e Gestão dos Serviços Partilhados e dos Recursos Humanos e Inovação Educativa, no Laboratório Regional da Engenharia Civil, nas delegações escolares do Funchal e de Câmara de Lobos, nas escolas secundárias Dr. Ângelo Augusto da Silva e Jaime Moniz, na escola básica do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do Caniço, nas escolas básicas do 1.º ciclo do Santo da Serra, da Lourencinha e do Garachico, no SESARAM e no IA-Saúde.

“Na sua grande maioria, “os trabalhadores mantiveram-se nos serviços onde trabalhavam, mas houve 16 que mudaram de serviço, devido à área da licenciatura ser distinta daquela do serviço onde trabalhavam.