“Funchal Forte” contra o definhar do ex-líbris que foi o Aquário Municipal do Funchal

Foto retirada da sede virtual da coligação Funchal Forte.

O encontro foi na zona histórica de São Pedro. Num quarteirão com prédios degradados, lojas fechadas, ruas desertas. Rua de São Pedro, Rua das Pretas, Rua do Surdo, Rua da Mouraria.

A candidatura da coligação “Funchal Forte” foi hoje junto ao palacete de São Pedro criticar o “bluf” e a “fraude política” das promessas de reabilitação urbana proferidas pelo atual autarca e recandidato, Paulo Cafôfo.

Junto ao Aquário Municipal e Museu de História Natural da Madeira, numa zona atingida pelos incêndios de Agosto de 2016 e muito perto de uma lona que cobre a fachada da tradicional confeitaria Felisberta, o porta da iniciativa e ex-vereador na CMF, Gil Canha revelou que o Aquário Municipal e Museu de História Natural da Madeira “estão no completo abandono”.

O cabeça de lista da coligação que reúne apoios do Partido Popular Monárquico (PPM) e do Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP) recordou que o aquário já teve tempos áureos, com visita de estudo, e que, atualmente, é uma pálida imagem do que existia.

Segundo o ‘Funchal Forte’, o aquário municipal não cumpre a legislação, tem poucas espécies de peixes, faltam tanques de quarentena e os sistemas elétrico e de águas estão obsoletos.

Em matéria de reabilitação urbana, mesma a de inciativa privada como o edifício Caju sobre o qual Paulo Cafôfo “faz daquilo o templo da reabilitação”, Gil Canha revela que são mais as vozes do que a nozes sendo um abuso utilizá-lo como “uma espécie de troféu”.

“A reabilitação do senhor presidente Paulo Cafôfo é um cenário, é um “bluf””, referiu.