Rui Barreto abre campanha a favor do “respeito pelos funchalenses” e contra a “Polícia Municipal”

Rui Barreto 1º dia de campanha A
Rui Barreto falou hoje em defesa do “respeito pelos funchalenses, pelo dinheiro dos funchalenses”. A campanha centrista abriu no Largo do Miranda.

O candidato do CDS/PP à Câmara do Funchal abriu hoje a campanha para as eleições autárquicas com um encontro, no Largo do Miranda, Santa Maria Maior, com a presença de mais de uma centena de apoiantes. Ali também esteve o candidato à Junta de Freguesia, Pedro Araújo, considerado por Rui Barreto “um homem de causas, de trabalho, com uma marca positiva por onde passou”.

O candidato à liderança do município aponta a competência, o trabalho e o respeito pelos funchalenses como determinante para o futuro. “Fizemos o trabalho de casa e escolhemos os melhores para as freguesias e para a Assembleia Municipal, colocando o respeito pelos funchalenses e pelo dinheiro dos funchalenses. Temos verificado pouco respeito por parte dos nossos adversários”.

Rui Barreto recorda palavras de Paulo Cafôfo quando este afirmou pretender “uma barragem no Chão da Lagoa como forma de aproveitar os recursos hídricos”. E deixa duas questões: Onde esteve o presidente da Câmara, nestes últimos quatro anos, com perdas de água superiores aos 50 por cento e não conseguiu resolver o problema? Onde esteve o presidente da Câmara quando foram construídos três reservatórios, 18 quilómetros de canais de água de rega e nestes quatro anos os funchalenses não podem contratualizar a água de rega mais barata porque o presidente da Câmara, inerte, não consegue, junto do Governo, reivindicar em benefício dos funchalenses?”.

Foi para a plateia de uma centena de pessoas que Rui Barreto abordou o assunto Polícia Municipal, discordando da posição assumida por Paulo Cafôfo. Questiona as funções dessa polícia, sublinhando que a mesma fará com que sejam transferidos custos que são de Lisboa.

Funchal menos limpo e PDM fora de tempo, feito “nas costas dos funchalenses”, foram temas quentes que o candidato levou até ao Largo do Miranda, pedindo ao povo que dê “força à candidatura do CDS/PP” como forma de defender a cidade para o futuro.