Câmara de Lobos dá 13 cêntimos a viticultores que não consigam escoar produção

Considerando a produção excecional de uvas verificada no concelho de Câmara de Lobos, com especial destaque para a freguesia do Estreito de Câmara de Lobos, o executivo municipal, irá apresentar na reunião de Câmara, uma proposta para atribuição de apoio extraordinário aos viticultores, com parcelares inscritos em matriz predial de Câmara de Lobos, no montante de € 0,13 por quilograma, para compensação às uvas que manifestamente não venham a ser adquiridas pelo mercado.

Segundo uma nota de imprensa hoje divulgada, a proposta da edilidade visa dar resposta a algumas dificuldades encontradas por vários produtores de uvas do município no escoamento das suas produções.

À semelhança dos anos precedentes, a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia, têm vindo a acompanhar no terreno a colheita de uvas, tendo sinalizado a preocupação dos viticultores face à incapacidade de o mercado absorver toda a produção de 2017.

Após contactos estabelecidos com as empresas que operam no setor, e depois de tentadas todas as diligências no sentido de atender às preocupações dos viticultores, a autarquia constatou que os agentes económicos produtores/exportadores de Vinho Madeira manifestaram a impossibilidade de integrar todo o volume de produção ainda por colher, situação que vem comprometer as expetativas de rendimento que os viticultores tinha para a presente colheita.

“Considerando que o ano 2017 foi um ano de produção excecional, não só ao nível da quantidade como da qualidade, bem como o facto de o rendimento da vinicultura, ser uma fonte importante na economia de inúmeros agregados do concelho, a edilidade considera premente tomar medidas excecionais que permitam compensar os viticultores”, revela a autarquia.

Assim, considerando a Resolução n.º 551/2017, tomada pelo Governo Regional da Madeira, no passado dia 15 de setembro, o executivo municipal de Câmara de Lobos irá propor à Câmara Municipal a atribuição de um complemento de 0,13 € a todos os viticultores do concelho de Câmara de Lobos, cujas uvas manifestamente não venham a ser adquiridas pelo mercado, desde que apresentem grau alcoólico provável igual ou superior ao mínimo legal e se apresentem em perfeito estado fitossanitário, limpas e frescas, e desde que provenientes de parcelares inscritos em matrizes prediais do município de Câmara de Lobos, sendo que 0,10 € por quilograma é um apoio direto ao produtor, e os restantes 0,03 € por quilograma visam suportar os custos a haver ao nível do carrete para transporte das uvas.

A atribuição do apoio em causa será feita através do IVBAM, com quem a edilidade propõe que a autarquia autorize a formalização de protocolo para que aquela entidade proceda ao pagamento aos viticultores.

Segundo estimativas no terreno, a edilidade presume que existam ainda cerca de 300 toneladas de uvas por colher, sendo que a medida a ser tomada pela Câmara Municipal representará um custo na ordem dos 39 mil euros.