Parque de Santa Catarina já tem um espaço de troca de livros

Foto DR

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, inaugurou hoje, no Parque de Santa Catarina, o projeto vencedor da Assembleia Municipal Jovem 2016.

A proposta vencedora pertenceu aos alunos do 9º ano do Externato da Apresentação de Maria, Clara Bazenga, Francisca Jesus, Joana Sousa, Maria Inês Oliveira e Pedro Afonso Gouveia, e consiste num espaço de bookcrossing, com vista à promoção da troca voluntária de livros entre os cidadãos, à semelhança do que acontece em muitas cidades europeias.

O lugar escolhido foi uma das antigas e emblemáticas gaiolas do Parque de Santa Catarina, que foi devidamente recuperada para o efeito, estando o espaço agora acessível a toda a população.

A Assembleia Municipal Jovem é deliberativa e conta com um orçamento anual próprio de 10 mil euros, no sentido de executar a proposta vencedora. Trata-se de uma iniciativa criada pelo atual Executivo em 2015, com o intuito de permitir que os jovens do 3º Ciclo do Ensino Básico pudessem apresentar propostas para a cidade, que fossem desenvolvidas nas respetivas escolas ao longo do ano.

Acompanhado pelo Executivo Municipal, Paulo Cafôfo enalteceu que “quando é dada aos jovens a oportunidade de participarem, eles intervêm, dão a sua opinião e apresentam ideias. Foi isso que aconteceu mais uma vez, no âmbito desta nossa Assembleia Municipal Jovem.” Para o Presidente, “os jovens podem e devem participar. Não governamos só para os eleitores, governamos para todos, e as crianças e os jovens têm direitos, sendo que um dos principais é verem a sua opinião valorizada. Foi isso que promovemos com o Orçamento Participativo, que incluiu, desde o início, os jovens a partir dos 15 anos, naquilo que foi um passo de gigante na qualificação da nossa democracia.”

No caso da Assembleia Municipal Jovem, “desafiámos os alunos das escolas do 3º Ciclo do concelho a virem apresentar ideias, como se de uma sessão da Assembleia Municipal se tratasse. São propostas bem estruturadas, viáveis, que devem vir orçamentadas e implicam um esforço real de conceção, e depois são eles próprios a terem de esgrimir argumentos políticos no âmbito da sessão da Assembleia. Todos os projetos até 10 mil euros têm as mesmas possibilidades de virem a ser concretizados e, hoje, temos os nomes destes alunos aqui numa placa, significando que nós valorizamos individualmente o contributo que eles deram para a sua cidade. É um processo enriquecedor para todos.”

O Presidente remata que “este era um espaço que estava desaproveitado, que já tinha sido uma gaiola e era atualmente um armazém, e agora está remodelado, ao serviço da cultura e desta troca de livros, o que faz todo o sentido numa cidade cosmopolita como a nossa. É um espaço de partilha cultural, onde podemos deixar um livro e tirar outro, num espaço tão agradável como o Parque de Santa Catarina.”