Sofia Canha alerta para risco de quebradas ou deslizamento de terras

A candidatura do PS às eleições autárquicas no concelho da Calheta realizou, na tarde de ontem, uma conferência de imprensa na vila, para reivindicar à Câmara Municipal da localidade uma intervenção rápida junto do Governo Regional, no sentido de pressionar o executivo de Albuquerque a iniciar a consolidação das escarpas do município, que o partido coinsidera colocarem em risco a segurança da população da Calheta, bem como dos seus visitantes.

A candidata socialista Sofia Canha relembrou que a consolidação da escarpa na vila da Calheta já está prevista na Lei de Meios, desde 2011, tendo o Governo anunciado que a obra será executada, mas só depois de 2019. Por essa razão, Sofia Canha não quer que esta matéria volte a cair no esquecimento e que seja deixada para o próximo executivo, tal como tem ocorrido nos últimos anos, salienta um comunicado do partido. Por isso critica a Câmara Municipal da Calheta, uma vez que, alega, nunca teve como prioridade as condições de segurança da população. Ora, se ao longo dos últimos anos quer o Governo Regional, quer a Câmara Municipal da Calheta eram do PSD, esta questão já devia ter sido resolvida.

Sofia Canha abordou também outras situações similares no concelho, nomeadamente a situação da Estrada Regional entre o Estreito da Calheta e o Jardim do Mar, bem como entre o Paul do Mar e a Fajã da Ovelha. Estas “são situações muito problemáticas, assustadoras”, disse a candidata do PS-M, referindo também que “há pessoas do concelho que por causa do receio que têm de queda de pedras não circulam naquelas estradas”. Sofia Canha salientou no entanto que também há pessoas que circulam diariamente naquelas estradas e que deviam fazê-lo em segurança, tendo o Governo Regional responsabilidade nessa matéria.

Sofia Canha veio ainda recordar que foi anunciado, recentemente, que o Governo fará um estudo. Contudo, só depois de 2019 é que se saberá das condições da escarpa e de um lançamento de um projecto. Assim sendo, a candidatura do PS aponta para que só daqui a dez anos haja, efectivamente, segurança nas estradas anteriormente referidas. Uma situação lamentável, que leva o Partido Socialista a reivindicar que a Câmara Municipal pressione o Governo Regional, uma vez “as pessoas da Calheta, da zona oeste, mais distante do Funchal sentem, todos os dias, receio de serem atingidos por uma pedra, por uma rocha ou por um deslizamento de terras”.