CMF e Junta de Santa Maria Maior recuperam entrada 61 do Caminho das Voltas

Foto DR

O presidente da Câmara Municipal do Funchal e o Presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Guido Gomes, inauguraram a obra de beneficiação da entrada 61 do Caminho das Voltas, um pedido expresso dos moradores, que foi finalista da 1ª edição do Orçamento Participativo do Funchal, ainda que não tenha, então, estado no leque dos projetos vencedores.

“É o resultado de uma parceria operacional entre a Câmara Municipal do Funchal e a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, que prova o mérito da governação de proximidade e de um trabalho integrado com todos os agentes do poder local”, disse Paulo Cafôfo, segundo uma nota de imprensa divulgada hoje.

A obra foi feita com meios próprios da autarquia, tendo cabido à Câmara ceder todos os materiais necessários à execução da mesma.

A entrada foi alargada, passando a permitir a passagem de uma maca dos Bombeiros, por exemplo, foram consolidados muros e refeitos degraus, além de ter sido finalmente estabelecida a ligação das águas pluviais à rede.

A cooperação entre as duas entidades permitiu, desta forma, “recuperar uma vereda degradada que serve meia centena de pessoas, incluindo cidadãos com problemas cardíacos, com necessidades especiais, crianças e idosos, e que era pedida pelos moradores há pelo menos uma década”, explica Paulo Cafôfo.

O Presidente enaltece “a mobilização da comunidade, através dos mecanismos de participação que desenvolvemos ao longo deste mandato, nomeadamente com o Orçamento Participativo” e lembra que, apesar desta não ter sido uma das propostas vencedoras do OP Funchal, “sempre dissemos que toda aquela lista de anseios e vontades da população não ia ser esquecida. As propostas iam ser tidas em conta e, no maior número de casos em que nos fosse possível, iam ser realidade durante o atual mandato. Muito me satisfaz poder dizer hoje que, atualmente, o OP Funchal já tem executadas um número de propostas superior àquelas que foram as vencedoras oficiais.”

Paulo Cafôfo sublinha, contudo, que este desfecho não teria sido possível sem a postura proativa e disponível da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior.