Funchal avança com reflorestação de 400 hectares do Parque Ecológico

A Câmara Municipal do Funchal viu aprovada uma candidatura no valor de 1,4 milhões de euros pela Autoridade de Gestão do PRODERAM 2020 – Programa de Desenvolvimento Rural da Região Autónoma da Madeira, com o intuito de reparar os danos causados no Parque Ecológico do Funchal nos incêndios do passado Verão.

Segundo uma nota hoje divulgada, a Autarquia formalizou a candidatura no ano passado, após a calamidade, e a aprovação desta reflorestação em larga escala, que vai abranger mais de 400 hectares do Parque, foi agora aprovada, com comparticipação da União Europeia (FEDER) na ordem dos 85% do valor total.

Paulo Cafôfo elogia “a capacidade de trabalho e o rigor dos serviços camarários, que, no rescaldo dos incêndios de agosto de 2016, foram capazes de avançar com uma série de candidaturas irrepreensíveis a fundos nacionais e comunitários, que nos permitiram consubstanciar uma resposta eficaz e competente ao que aconteceu.”

O autarca lembra que “a disponibilização de fundos estruturais obedece a várias regras e prevê a apresentação de projetos bem elaborados, que façam eco da capacidade de planeamento e de execução das entidades beneficiárias. Temos aqui mais uma prova de que fizemos a nossa parte.”

O Presidente acrescenta que “a Câmara Municipal do Funchal tem-se pautado por uma política de ação e pelo cumprimento claro daquilo a que nos propomos, e o Parque Ecológico é naturalmente uma frente importante, para cuja intervenção teremos agora as ferramentas necessárias, na sequência da recuperação dos caminhos pedestres, que também já está em curso, e tal como aconteceu com a pré-consolidação de escarpas afetadas nos incêndios em todo o concelho.

Refira-se, ainda, outros projetos importantes de acessibilidades que estão a ser recuperadas neste âmbito, como é o caso do Caminho do Lombo e do Caminho Padre Eugénio Borgonovo, no Monte. Este é o resultado do trabalho que temos feito desde o passado Verão.”

O Parque Ecológico do Funchal é um espaço natural de proteção ambiental numa zona de montanha do concelho do Funchal, na freguesia do Monte, entre os 470 metros de altitude na Ribeira de Santa Luzia e os 1818 metros de altitude, no Pico do Areeiro. Este espaço municipal é uma reserva de natureza do concelho do Funchal, constituindo uma importante área para a conservação da floresta e para o seu usufruto pelos visitantes.

Na madrugada do dia 9 de agosto de 2016, o Parque Ecológico do Funchal foi atingido por um incêndio florestal que afetou cerca de 441 hectares, abrangendo áreas que não tinham sido atingidas em 2010 e 2013, nomeadamente a área junto à antiga Estação de Tratamento de Águas dos Tornos e Tornos Altos, onde predominavam alguns núcleos importantes de vegetação indígena e endémica de elevado interesse botânico.

Este incêndio afetou, igualmente, grande parte dos investimentos na área de reflorestação realizados nos últimos 6 anos, com a devastação de grande parte do trabalho efetuado. A rede viária florestal também foi afetada, daí a intervenção em curso nos caminhos pedestres, de forma repor o estado anterior e a diminuir a vulnerabilidade destas infraestruturas aos fenómenos erosivos, uma vez que são fundamentais, não só na prevenção e combate aos fogos florestais, mas também na execução dos trabalhos previstos neste projeto.

O projeto agora aprovado tem como objetivos a reabilitação da área ardida, através de ações de reflorestação e controlo de espécies exóticas invasoras, com vista a minimizar os efeitos dos agentes erosivos e o risco de incêndios florestais.

A área total do projeto totaliza 407 hectares, divididos em duas parcelas, 1 e 2, com 316 e 91 hectares cada, respetivamente.

A divisão da área de intervenção em duas parcelas deve-se às condições particulares da parcela 2, uma vez que esta se encontra em áreas de vertente que apresentam um elevado desnível, com declives por vezes superiores a 35%, o que torna o acesso e mobilidade muito difícil.

Neste caso, os meios mecânicos não são viáveis e a intervenção manual, embora sendo muito condicionada, é a única solução que se apresenta.