Chão da Lagoa ataca ‘geringonças’ de lá e de cá

Fotos Alfredo Rodrigues.

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho subiu hoje ao Chão da Lagoa para criticar a atitude do Governo da República em relação à Madeira.

Segundo o presidente do partido, o Estado está a falhar nos compromissos para com a Madeira e o Governo da República da ‘Geringonça’ não honra as suas promessas.

Passos Coelho deu o exemplo da relutância em renegociar os juros do empréstimo à Madeira e o financiamento do novo Hospital.

Para Passos Coelho o Estado “falha” e o Governo da República não está a cumprir com a promessa de que iria financiar metade da construção do novo hospital.

Da parte do PSD prometeu que o partido tudo fará na Assembleia da República para obter pelo menos 50% do financiamento do novo hospital.

O líder ‘laranja’ chamou ainda ao discurso o caso dos lesados do Banif para acusar António Costa de não resolver a situação, de fugir às suas responsabilidades desculpando-se com “o passado”.

Sobre os juros do empréstimo decorrente do PAEF, Passos Coelho considerou “injusto” e “vergonhoso” que o Estado esteja “a ganhar dinheiro com o empréstimo que a Madeira fez”.

Sorriso pepsodent

Por seu turno, Miguel Albuquerque elogiou os atuais autarcas do PSD-M, nas Câmaras e nas freguesias, e ‘disparou’ em direção às autarquias lideradas por outros partidos.

Nessas houve propaganda, promessas, campanha mas nenhum trabalho.

Focalizou nas Câmaras do Porto Santo, Porto Moniz, Machico, Santa Cruz e Funchal onde houve promessas mas não há obras.

No caso do Funchal mostrou-se “triste” com a “geringonça incompetente” que a governa e acusou o atual presidente, Paulo Cafôfo, de só se preocupar com “publicidade” e “sorriso Pepsodent”, estagnando a cidade.

Miguel Albuquerque lembrou ainda que o Governo Regional por si liderado lançou recentemente o concurso para o ferry e, mais uma vez, a acusou Lisboa de estar a protelar a renegociação do modelo de mobilidade aérea.

Jota atira-se a câmaras socialistas

Por seu turno, o líder da JSD/Madeira, André Alves, elogiou os autarcas PSD e criticou os da oposição.

Em relação ao Funchal apontou a colagem da Câmara ao Diário, falou do Lido que perdeu recentemente a bandeira azul e questionou a utilização da FrenteMarFunchal como central de emprego.

A mesma acusação de colagem à comunicação social foi feita pelo dirigente da jota à câmara socialista de Machico.

André Alves chamou “egocêntrico” ao presidente da Câmara do Porto Moniz e apontou o candidato do PSD, Rui Nelson como “uma pessoa visionária”.

Sobre o Porto santo, disse que nada foi feito para alterar a “vida a part-time” da juventude.

Rui Abreu, secretário-geral do PSD/M, anunciou que estão 23 mil pessoas no Chão da Lagoa.