Câmara de S. Vicente vai reforçar apoio domiciliário a idosos e presidente quer construir lar de terceira idade

S. Vicente
“A minha casa, o meu lar” é um programa de apoio domiciliário da Câmara de São Vicente, com entrada em vigor prevista para 1 de agosto. A autorização prévia vai esta quinta-feira a reunião de câmara.

A reunião da Câmara Municipal de São Vicente, agendada para esta quinta-feira, vai analisar a autorização prévia para a entrada em funcionamento de um programa direcionado para o apoio domiciliário a idosos e denominado “A minha casa, o meu lar”.

O objetivo é proporcionar uma oferta de ajuda a idosos do concelho, com maior frequência e numa componente mais ampla, com o recurso a profissionais qualificados que permitam ir ao encontro das necessidades da população. Os custos do programa aproximam-se dos 4 mil euros mensais e o mesmo deverá estar em funcionamento a 1 de agosto.

Neste sentido, o presidente da autarquia afirma que há uma intenção clara de atender às exigências que hoje se colocam a uma população idosa, referindo particularmente a importância de, numa lógica de permanência fora de casa, porque há pessoas que não têm condições de assistência nas suas residências, vir a ser “construído um Lar de terceira idade em função da extensa lista de espera que se regista, uma vez que o de Ponta Delgada está esgotado”.

José António Garcês mostra-se preocupado com estes apoios sociais e espera que esta decisão da Câmara, com um programa exclusivamente autárquico, venha preencher aquelas que presentemente são as necessidades da população.