PS pode levar problemas dos produtores de banana da Madeira a Tribunal

Foto DR.

Os deputados do PS eleitos pela Madeira, Carlos Pereira e Luís Vilhena, admitem levar os problemas dos produtores de banana da Madeira a Tribunal.

A decisão surgiu depois de uma reunião no Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Regional, Capoulas dos Santos, em Lisboa, onde participaram representantes de pastores e agricultores madeirenses.

Em causa está uma portaria do Governo Regional que impede que os produtores de banana se juntem em associações.

“Há restrições introduzidas pelo Governo Regional que limitam que os agricultores se juntem em agrupamentos, a GESBA – Empresa de Gestão do Sector da Banana – tem o monopólio e impede a venda”, apontou o líder do PS-Madeira, Carlos Pereira. É uma sovietização do setor da banana na Madeira”, criticou ainda.

“A reestruturação no setor da banana falhou, os rendimentos dos produtores estagnaram e o aumento da produção tem sido desperdiçado”, analisou, revelando que o PS está bastante sensibilizado para os problemas dos agricultores e pastores madeirenses.

“Foi uma boa reunião, o senhor ministro ficou documentado de uma série de problemas existentes e que o Governo regional tem ignorado”, afirmou ainda Carlos Pereira. “Há um apagão do Governo regional relativamente a estas matérias”, acrescentou.

Em cima da mesa da reunião estiveram também os rendimentos baixos auferidos no setor da banana, a concorrência externa, as dificuldades no pastoreio, entre outras matérias.

José Gomes, da Associação de Pastores da Madeira, lamentou as dificuldades que os pastores têm em pastorear na Madeira. “Convidámos o senhor ministro a vir às tosquias em Santo António e a conhecer os problemas no terreno”, disse, apontando dificuldades em manter os terrenos limpos após os incêndios e os problemas e riscos a que a Região está sujeita de Inverno devido às políticas regionais para a pecuária. “Aquilo que pretendemos é que haja soluções”, afirmou.

Antonino de Abreu, produtor de banana, também não poupou nas queixas à tutela regional. “Somos mais maltratados e vivemos debaixo de uma ditadura”, apontou. “Não precisamos de um Governo que faça promessas, mas de um Governo que trabalhe”.

Da parte do grupo parlamentar do PS ficou a promessa de que estes assuntos não serão esquecidos em Lisboa e que se serão alvo de iniciativas por parte dos deputados.