Maior apreensão de droga na Madeira em 2016 começou hoje a ser julgada

O Tribunal de Instância Central da Comarca da Madeira começou hoje a julgar dois homens, um espanhol e um uruguaio, acusados por tráfico de droga na sequência da apreensão de 588 quilos de cocaína em 2016.

A droga estava dissimulada no veleiro ‘Calma’, que aportou no porto de recreio da Calheta, numa viagem da República do Suriname (América do Sul) para Espanha.

A Polícia Judiciária do Funchal abordou a embarcação pela primeira vez a 18 de junho de 2016 e nesse mesmo dia apreendeu cerca de 122 quilos de cocaína, acondicionados nos flutuadores do bote salva-vidas.

Numa segunda ‘investida’, quando a Polícia Marítima procedia à vistoria do veleiro, foram detetados mais 217 quilos de cocaína, e numa terceira fase, na sequência do transporte para doca seca, as autoridades apreenderam outros 249 kg.

Nesta operação foi inclusivamente necessário recorrer a outras pistas para chegar à popa do barco, onde a droga estava tão bem dissimulada que nem os cães a conseguiram ‘farejar’, na primeira abordagem ao veleiro no mês de Julho de 2016.

Este lote de droga tinha impresso no produto uma espécie de marca branca com a designação ‘Messi’.

Foi a maior apreensão de cocaína realizada na Madeira, em 2016.

A droga estava acondicionada em 500 embalagens, num total de 588 quilos.

Os arguidos, ambos com 43 anos, não têm antecedentes criminais.

Recorde-se que, ao abrigo do Estatuto Político-Administrativo da Região, os bens apreendidos na Região que sejam, a final, declarados perdidos a favor do Estado, revertem para a Região.

Poderá ser esse o destino final do veleiro ‘Calma’.