Juventude comunista critica almoço da AAUMa com Rubina Leal

A Juventude Comunista Portuguesa da Madeira esteve hoje na UMa para criticar um almoço realizado pela Associação Académica da Universidade da Madeira com Rubina Leal, actual secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais, e anunciada candidata pelo PSD à Câmara do Funchal nas próximas autárquicas. No Dia Nacional do Estudante, estabelecido em 1987 pela Assembleia da República, a JCP foi à UMa numa iniciativa na qual considerou “repugnante” que a AAUMa “no Dia do Estudante tome opções politicas e não opções no sentido de melhores condições do ensino na Universidade da Madeira”.

Para a JCP, os alunos também não precisam de palestras de sensibilização sobre a escola neste dia, como a JSD está a dinamizar, pois não é o dia das escolas e sim o Dia do Estudante, “e não se pode  tapar com a peneira os problemas evidentes que existem nas instituições de ensino”.

Os jovens comunistas entendem que os estudantes “precisam sim é que lhes sejam assegurados os seus direitos, portanto hoje é o dia de exigir uma escola pública, democrática, gratuita e de qualidade como está consagrado na Constituição da República Portuguesa”, algo que, consideram, não tem sido cumprido pelos sucessivos governos nacionais. Esses direitos também não têm sido garantidos, acusam, “por parte deste Governo Regional trapaceiro e mentiroso do PSD de Miguel Albuquerque”.

“Apelamos então, a todos os estudantes quer sejam do superior, do secundário, profissional ou do ensino básico que estejam identificados com esta luta e se encontrem contra o aumento das propinas, o aumento do custo de ensino, o processo de Bolonha, a falta de bens materiais e humanos, o numero exagerado de estudantes por turma no ensino secundário, o despedimento de  docentes e assistentes operacionais, que se juntem a esta luta por melhores condições no ensino, pois são direitos consagrados que ainda em pleno século XXI não estão assegurados”, refere um comunicado assinado pelo dirigente Duarte Martins.