Vereadores do PSD justificam ausência na Sessão Solene do Dia do Concelho de Machico

Foto: PSD/Machico- António Olim
Foto: PSD/Machico- António Olim

Os vereadores do PSD em Machico informam através de comunicado o motivo porque não compareceram hoje à Sessão Solene do Dia do Concelho.

Os vereadores da oposição no executivo municipal decidiram não comparecer à Sessão Solene do Dia do Concelho, como forma de protesto pelo constante incumprimento das promessas do executivo camarário, e de modo particular o compromisso assumido pelo  presidente em auscultar a população sobre a ARM.

No comunicado pode-se ler-se que , “após a tomada de posse, o Sr. Presidente garantiu publicamente que iria rapidamente auscultar a população sobre a ARM e em reunião de câmara afirmou que iria fazê-lo no mês de janeiro de 2014, uma vez que considerava que “a ARM é uma entidade incompetente, do ponto de vista legal, para gerir as águas”; durante a campanha eleitoral, o PS usou atá a exaustão da falácia e lançou a confusão na população sobre a ARM, enganando os munícipes dizendo que a câmara vendera as águas a uma empresa privada, e inclusivamente, de forma irresponsável, afirmou que retomaria o setor de ganhasse as eleições.Não só não retomou o setor, como o Sr. Presidente recusa cumprir o prometido”, acusam os sociais democratas.

“Não é aceitável que o PS enquanto oposição ao Governo Regional, venha a público, praticamente antes mesmo da tomada de posse do Dr. Miguel Albuquerque, quase diariamente e por diversas formas, exigir o cumprimento das promessas. E note-se, este Governo Regional ainda nem vai a meio do mandato.

Mas quando este mesmo PS é poder, já acha que não tem de cumprir as suas promessas. E já vai no último ano de mandato.
Que coerência é esta? Quando é oposição exige que se cumpra, mas quando é poder, já acha que não tem de cumprir!”, questionam.

No documento enviado os vereadores do PSD referem ainda “que fique claro, sempre defendemos e continuamos a defender a adesão do Município à ARM, por ter sido a melhor solução para resolver um gravíssimo problema com que o município se deparava há muitos anos, que era gerir um sector (águas e resíduos) extremamente deficitário e de difícil resolução por meios próprios”.