Concelhia do PS reconhece que foi um erro apoiar “Unidos por São Vicente”

jose-manuel-caldeira
Foto José Manuel Caldeira, facebook.

Foi um “erro” apoiar a coligação de independentes que governa atualmente o Município de São Vicente.

Quem o reconhece é o presidente da concelhia local do PS, José Manuel Caldeira para quem a estratégia de apoio a José António Garcês “hipotecou” o património político socialista no concelho onde chegou a ter dois vereadores e hoje não tem nenhum.

Eis o comunicado que surge em jeito de reação ao reaparecimento do ex-líder do PS, João Carlos Gouveia que, recentemente, criticou, no DN-Madeira, a atual liderança socialista de Carlos Pereira:

“O PS-São Vicente não apoia candidaturas do PSD
1 – A decisão do Partido Socialista vir a apresentar listas próprias aos órgãos autárquicos do concelho nas eleições de 2017, integra-se por inteiro na estratégia apresentada pelo presidente do PS-Madeira e sufragada pelos militantes no Congresso Regional de Junho de 2015.
2 – O apoio dado ao movimento Unidos Por São Vicente, em 2013, pelo Partido Socialista, revelou-se um erro, já que este projecto temporariamente dissidente do PSD não está a cumprir o prometido, causando grande insatisfação na população do nosso concelho e mesmo entre os militantes do PSD. Além disso, o PS-Madeira hipotecou, nesta solução, o seu património político, pois tinha dois vereadores eleitos, que muito trabalhavam na defesa de boas políticas municipais que contribuíssem para o bom nome do concelho e bem-estar dos seus habitantes.
3 – Além do mais, conforme se tem visto o movimento Unidos Por São Vicente prepara-se para regressar ao PSD, consoante tem sido visível, bastando para tal relembrar o apoio que foi dado aos social-democratas nas eleições regionais de 2015 em que Miguel Albuquerque teve, em São Vicente, 54,76% dos votos contra os 12, 35% da coligação liderada pelo PS-Madeira, resultado bem inferior a 2011 em que concorrendo a solo o PS obteve 15,65%.
4 – Assim sendo, os militantes e simpatizantes do PS em São Vicente, como também os cidadãos que defendem os ideais e as políticas socialistas, não podiam, de modo algum, continuar a apoiar uma falsa alternativa ao PSD.
5 – Sendo certo que a recuperação do património político perdido pelo PS, em São Vicente, se afigura uma tarefa hercúlea, estamos confiantes de que a população saberá acolher a nossa candidatura, confiando, novamente, em nós, até porque estamos a provar nas autarquias e juntas de freguesia em que somos governo, que governamos melhor.
6 – Pelo exposto e analisada a situação política, e verificado o distanciamento dos UPSV ao PS-Madeira, fica evidente que a concelhia do Partido Socialista de São Vicente não tem tido o reconhecimento do apoio dado e deve seguir a estratégia do PS-Madeira.
São Vicente 03 de Outubro
O Presidente da Concelhia do PS de São Vicente
José Manuel Caldeira”