Crónica Urbana: Um quarteirão que é uma potencial “bomba de neutrões”

leacock
Rui Marote
Há quem me apelide de mauzinho.. e diga que ridicularizo… Mas não entro nessas guerras. Nem declaro guerra a ninguém, nem sou profeta da desgraça. Abracei esta profissão como um sacerdócio já lá vão 45 anos. Não arrumei as botas, embora seja septuagenário, e vou continuar… Esqueçam as ameaças. Pela Madeira e a bem da Madeira, vão ter de me aguentar enquanto estiver vivo neste planeta. O que estiver bem, merece o meu aplauso. O que estiver mal, será denunciado.

SONY DSC

Enfim, vamos à crónica do dia… O drone do Funchal Notícias captou no sábado imagens desconhecidas dos madeirenses, e em especial da edilidade funchalense, a cerca de 10 metros do La Vie, antigo Dolce Vita.
É aquilo a que chamamos “bomba de neutrões”. As nossas imagens são reais… O epicentro localiza-se no rectângulo entre a Rua Conde Canavial, Rua Major Reis Gomes, Rua Brigadeiro Couceiro e Rua Brito Câmara.

SONY DSC

A 300 metros está o quartel dos Bombeiros Municipais, impotente em caso de incêndio, para lidar com a matéria inflamável existente, camuflada na Rua Brito Câmara pelos edifícios Abreu e Montepio, e na Rua Conde Canavial pelo stand de automóveis Kia, do qual nem daria tempo de tirar as viaturas. Em frente está o edifício do La Vie, revestido de caixilharia, óptimo para a propagação das chamas.
Se houver um incêndio nesta zona… A quem pertence todo esse quarteirão, à família Leacock? A CMF saberá?
SONY DSC
Na Rua Brito Câmara, o perigo espreita a qualquer momento. Junto ao Montepio, temos uma das saídas do parque de estacionamento do La Vie. O passeio deixa de existir e os peões circulam na estrada, uma vez que o muro que delimita todo aquele rectângulo de casas em ruína está fora do alinhamento do edifício da Abreu Advogados.

SONY DSC

SONY DSC

Fica aqui o nosso alerta. Resta saber se o vereador com o pelouro apropriado entrará em acção imediata, ou colocará tampões nos ouvidos e usará óculos escuros, ignorando a nossa “bomba de neutrões”… Para já e durante um mês, esta será a nossa última crónica urbana. Voltaremos em Novembro.