Micro-ondas faz jus ao nome

micro3
Fotos Funchal Notícias

O Estepilha não gosta de brincar com coisas sérias mas não resistiu a esta.

O contrato para a “obra de execução de edifício para instalação de sistema de tratamento por micro-ondas de resíduos no Hospital Dr. Nélio Mendonça” foi celebrado em 24 de abril de 2014, entre o SESARAM, E.P.E., e a firma Tecnovia, S.A, pelo preço de 1.385.000,00€ (s/IVA).

micro-ondasO Tribunal de Contas (TdC) detectou ilegalidades no seu concurso (vide FN, 19 de Novembro de 2015) mas o que hoje nos traz aqui é mesmo a opção arquitectónica.

O edifício parece, literalmente, um micro-ondas. De tamanho gigante, é certo, mas os arquitectos fizeram jus ao nome.

micro2A obra está quase concluída e, em breve, será inaugurada. Pode-se questionar porquê o investimento quando o processo do novo Hospital, noutro lugar, está em marcha? Mas isso são contas de outros rosário.

Brincadeiras à parte, o tratamento de resíduos hospitalares é coisa para se levar a sério para que, a jusante, na Meia Serra, o processo seja o fim e não o início da linha.

micro4Como funciona o micro-ondas?

Nesse processo tecnológico os resíduos são triturados, umedecidos com vapor a 150ºC e colocados continuamente num forno de microondas onde há um dispositivo para revolver e transportar a massa, assegurando que todo o material receba uniformemente a radiação de micro-ondas.

Quais são as vantagens desse processo:

-Ausência de emissão de efluentes de qualquer natureza.

-Processo contínuo.

Principal desvantagem: custo operacional relativamente alto.