Eficácia da edilidade aplaude-se. Espera-se que seja igual para todos

padrões-eco-017.jpg.jpeg

Rui Marote (texto e fotos)

Esta manhã fomos abordados na zona da Sé do Funchal por um cidadão que desconhecemos, mas que aparentemente nos conhece, já que nos alertou de imediato para o facto de que na Avenida do Infante funcionários da Câmara do Funchal procediam ao calcetamento de uma vivenda.

Agradecemos e fomos averiguar.

Tratava-se de facto de uma vivenda com o número de porta 40 da Avenida do Infante. Os trabalhadores da edilidade lá estavam.

Facto: a vivenda pertence à mãe do presidente da Junta de Freguesia da Sé, que até não é da coligação Mudança, eleita para a CMF. O que se passou foi que as raízes dos jacarandás plantados naquela via “invadiram” o quintal e levantaram o calcetamento.

Foi feita reclamação à CMF, que repôs toda a entrada da residência e que neste momento procede à abertura de uma vala em todo o comprimento, na procura de raízes, e consequente recuperação do passeio.

Não há nada de anormal. Tudo está claro como água. O que acontece é que a população está atenta e desconfia.

A Câmara ouviu a reclamação e de imediato entrou em acção. E bem.

Resta apenas saber se a autarquia procederá da mesma forma e com a mesma eficiência com munícipes e seus familiares, que não desempenhem quaisquer cargos autárquicos. Não que queiramos levantar insinuações. É só que a prática adequada para um, deve ser igual para todos.