Observatório faz balanço de 12 anos de educação musical

Bandolins músicaO Observatório da Educação Musical vai divulgar, esta quinta-feira, o balanço de doze anos de trabalho. Ao longo de mais uma sessão da “Música Conversada”, será analisado qual o impacto das metodologias aplicadas no ensino da música nos diferentes ciclos de estudo. 

O “Música Conversada”, projeto sessões culturais/musicais coordenado pelo professor e musicólogo Vítor Sardinha com o apoio da Associação Musical e Cultural Xarabanda, está de volta esta quinta-feira, 7 de abril, ao Museu Quinta das Cruzes.

Nesta sessão,  das 15h30 às 16h45, será feito o balanço do “Observatório da Educação Musical 2004”.

Realizado entre Setembro de 2003 e Julho de 2004, este trabalho de investigação na área da Educação Musical e da Cultura, foi um primeiro passo na transformação de práticas, conteúdos e perspetivas daquilo que se conhecia e ensinava, na disciplina de Educação Musical/Expressão Musical.

Do relatório final foram feitos quatro exemplares entregues aos então Secretário Regional da Educação, Diretora Regional da Educação, e Diretor do Gabinete Coordenador de Educação Artística, ficando o original com Vítor Sardinha.

Passada a reserva e a confidencialidade das observações diretas,  é feito o balanço geral sobretudo daquilo que entretanto mudou mas também de tudo o que se mantém. Pondo em evidência desde logo o trabalho posteriormente realizado por parte da DSEAM (Direção de Serviços de Educação Artística e Multimédia), da Associação Musical e Cultural Xarabanda, entre outros, na edição de obras de grande alcance educacional e cultural (livros, Cd’s, DVD’s), sobre músicos e práticas musicais madeirenses, em todas as culturas musicais, será definido um novo olhar sobre o estado presente da música e da educação através dela.

Passados doze anos, o objetivo é o de refletir, ao longo de uma sessão da “Música Conversada”, se todo este reforço de saberes publicados, na mão dos professores de Educação Musical, tem feito a diferença na escola e nos diferentes ciclos de estudo.

A organização espera contar com a presença participativa de professores, investigadores, músicos e público em geral. Esta sessão terá, como habitualmente, entrada livre.