Esperança para os lesados do Banif: Santander estuda solução nas obrigações subordinadas

santanderO banco Santander Totta está a estudar soluções com vista à manutenção da franquia comercial das obrigações subordinadas do ex-Banif, um dos produtos de risco mais elevado. A informação foi avançada ao FN por fonte da administração do Santander, que já decidiu assumir também o Fundo de Pensões do Banif.

Poderá ser uma luz ténue ao fundo do túnel para muitos dos subscritores de produtos de risco do ex-Banif. O Santander Totta, que adquiriu o banco sedeado na Madeira em dezembro último, anunciou ao Funchal Notícias estar a estudar soluções que poderão vir a beneficiar um maior número de depositantes e investidores, atualmente na iminência de perder grande parte das suas poupanças.

“Quanto às obrigações subordinadas, e embora não tendo qualquer responsabilidade sobre esta matéria, o Banco Santander Totta estuda soluções com vista à manutenção da sua franquia comercial”, sublinha fonte próxima à administração, sem especificar o teor destas medidas nem um possível calendário para a sua aplicação.

Em nota enviada à redação, a mesma fonte adianta que o Santander Totta, mesmo sem responsabilidade previamente definida para tal, decidiu assumir também o Fundo de Pensões do Banif.

Nos termos da Medida de Resolução e da venda de Ativos e Passivos do Banif tomadas a 20 de dezembro último, o Banco Santander Totta fez saber desde a primeira hora que garantia na íntegra os depósitos dos clientes do ex-Banif (independentemente do seu montante) e também as obrigações seniores e as obrigações hipotecárias.

De fora do pacote de garantias, ficavam as obrigações subordinadas, as obrigações RENTIPAR e as ações Banif. Situação que apanhou muitos clientes de surpresa e que alegadamente desconheciam ser detentores daqueles produtos de risco, pensando antes que o dinheiro estaria aplicado em depósitos. Há centenas de milhares de euros aplicadas em obrigações subordinadas que valiam milhares e passaram a valer zero após o resgate do banco.

Para muita gente – estima-se que serão cerca de 25 mil pessoas singulares e coletivas – poderá determinar a perda quase total das suas poupanças. A onda de contestação tem vindo a crescer nas últimas semanas ao ponto de os autodenominados “lesados do Banif” terem criado uma associação  – ALBOA, que tomará as rédeas na reivindicação pela devolução dos depósitos.

O Santander Totta aprovou no início deste mês um novo aumento de capital de 300 milhões de euros, ascendendo atualmente o seu capital social aos 1,275 milhões de euros. Todavia, este reforço estava planeado desde o verão do passado ano e nada tem a ver com a aquisição dos ativos e passivos do Banif, a qual só se colocou mais tarde. Tais aumentos, explica o banco espanhol, visam apenas otimizar a estrutura de capital do Santander Totta, substituindo dívida que deixou de contar para efeitos de capital.

Relativamente aos 1100 colaboradores do Banif que passaram para o Santander Totta, a administração reitera que estão enquadrados na estrutura comercial do Banco, não se prevendo para já alterações à situação atual.