Semana da Filosofia na Jaime Moniz apela a uma “revolução da consciência”

Carlos - isabel A filosofia está em destaque na Escola Secundária de Jaime Moniz num apelo insistente dirigido à comunidade escolar para a necessidade de questionar o mundo e os seus paradigmas e rejeitar o modelo antropocêntrico em nome de um paradigma novo que privilegie a ética, o cuidar e respeitar os outros.

O Grupo de Filosofia da ESJM e o Projeto  Anjos com 4 Patas são os promotores da Semana da Filosofia que tem vindo a decorrer no Liceu com o lema “Utopia e Fraternidade” e que termina esta sexta-feira.

carlos professorDurante a manhã de hoje, foi realizado um seminário que contou com a presença de oradores de relevo, presidido pelo diretor regional da Inovação e Gestão, Carlos Andrade, em representação do Secretário Regional da Educação, e Isabel Freitas, vogal da Direção da ESJM.

Isabel Freitas salientou a importância destes encontros que significam a abertura da comunidade educativa à reflexão e ao debate. No fundo, salientou, é a filosofia a sair da  sala de aula e a afirmar-se no plano do debate, agradecendo a colaboração das entidades promotoras e das organizadoras Ana Mendonça e Elina Batista, ambas professoras da ESJM.

O Diretor Regional de Inovação e Gestão colocou a tónica do seu discurso na importância da filosofia como um campo do saber privilegiado para o problematizar e questionar do mundo. A título de exemplo, Carlos Andrade referiu o facto de, nos Estados Unidos, algumas multinacionais preferirem na admissão dos recursos humanos não tanto gestores ou engenheiros qualificados mas profissionais com formação na área das humanidades. “No dia em que deixarmos de nos questionar, morreremos. A única forma de deixarmos no mundo a nossa marca é questionarmos o mundo que nos envolve”, sublinhou o Diretor Regional.

carlos-alunosPaulo Borges, André Nunes e Pedro Renca foram os oradores que se seguiram, dando todos eles especial enfoque à necessidade de substituir o atual paradigma antropocêntrico por um paradigma de uma ética global, de respeito e cuidado pelos outros, quer sejam humanos quer sejam animais.

Paulo Borges, filósofo, sócio fundador da Direção do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira e autor de alguns títulos editados, Paulo Borges abordou o tema ““Quem é o meu próximo? Para uma ética da interdependência, do respeito e do cuidado por todas as formas de vida”. Um discurso contundente contra uma sociedade que está centrada na produção, no consumo, no trabalho e que instrumentalizou a natureza. “Temos hoje uma economia industrial que industrializou a vida. Há milhões de animais que são feitos crescer à pressa para a nossa alimentação, quando sabemos que 75% das doenças mortais resultam da alimentação carnívora”.

Em contraponto, Paulo Borges recomendou “uma revolução da consciência, um novo paradigma de perceção do mundo, um paradigma ético que nos convida a uma revolução comportamental que rejeite claramente o antropocentrismo”.

Por seu turno, o jurista André Nunes também aplaudiu o facto de hoje, na Assembleia Legislativa da Madeira ter sido aprovado um diploma que proíbe o abate dos animais de companhia, na sequência de um trabalho intenso que tem vindo a ser desenvolvido junto de três grupos parlamentar no sentido de defender os animais. A aprovação do diploma é um júbilo para todos aqueles que se empenham na defesa da causa animal, como seres vivos com direitos numa sociedade virada para os valores do materialismo e do consumismo exacerbado.

carlos -andréNa tarde de ontem, o professor de filosofia na ESJM José Carlos Ferreira foi o orador de uma palestra com o tema “Realidade e Ficção: a utopia de Tomás Moro e as viagens e os descobrimentos portugueses.”

 

Nesta sexta feira, no encerramento da Semana de Filosofia,  será ainda publicado mais um número da revista Ágora, da responsabilidade do professor João Meneses, na Escola Secundária Jaime Moniz.