Novas regras na atribuição de bolsas na UMa

Universidade da Madeira

A Universidade da Madeira passará, a partir do próximo ano, a disponibilizar novos apoios sociais aos seus alunos. O limiar de elegibilidade para obtenção de bolsa de estudo aumentou, abrangendo mais famílias. O processo de candidatura está decorrer e prolonga-se até ao final de setembro.

Reproduzimos de seguida, na íntegra, a nota de imprensa divulgada pelo gabinete de comunicação da UMa.

“Encontra-se a decorrer o processo de renovação e a submissão de novas candidaturas das bolsas de estudo para os estudantes do Ensino Superior, devendo as mesmas serem instruídas e submetidas até 30 de setembro.

A principal alteração para o ano letivo de 2015/2016 prende-se com o aumento do limiar de elegibilidade, aumentado face ao do ano transato (14 vezes Indexante dos Apoios Sociais – IAS), sendo agora atribuído bolsa de estudo às candidaturas cujo rendimento per capita do agregado familiar seja igual ou inferior a 16 vezes o IAS, acrescido da propina máxima. As alterações para atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior, que entrarão em vigor no próximo ano letivo, foram regulamentadas com a publicação do Despacho n.º 7031-B/2015, no passado dia 24 de junho, e podem ser consultadas no sítio http://www.sasuma.pt, correio eletrónico e/ou pessoalmente nos Serviços de Ação Social da Universidade da Madeira (UMa).

Para além destas bolsas de estudo, os alunos que ingressam na UMa e não cumpram os requisitos de elegibilidade das mesmas podem candidatar-se ao Fundo de Apoio de Emergência, mecanismo complementar de apoio social, no valor de 40 mil euros, que tem como objetivo apoiar os estudantes que se apresentem em situação de comprovado estado de necessidade económica.

A UMa tem ainda ao dispor dos alunos medidas complementares, tais como as Bolsas “Blandy Educação”, “AFA”, “Cruz Vermelha” e “C.D. Nacional”, além de outras patrocinadas por outras empresas madeirenses, equivalentes ao valor da propina, que visam ajudar os estudantes com aproveitamento de qualidade e em situação de carência económica, premiando o mérito e contribuindo para combater o abandono e insucesso escolares. Saliente-se que a Bolsa AFA se destina a apoiar os alunos dos cursos de Engenharia Civil e Engenharia Eletrotécnica e Telecomunicações com melhor média de entrada, ao longo dos três anos do curso.

Para os alunos com as seguintes melhores médias de entrada, existem ainda outras quatro bolsas, equivalentes à propina do 1º ano do curso. Estes apoios foram constituídos como forma de incentivar a procura dos estudantes pelos cursos de Engenharia Civil e Engenharia Eletrotécnica e Telecomunicações, tão importantes para o desenvolvimento da Região e do País e que, nos últimos anos, sofreram um decréscimo acentuado de procura.

Numa iniciativa da Associação Académica e dos Serviços de Ação Social, a UMa atribui ainda uma bolsa de alimentação apoiando este alunos com refeições e bens de consumo escolar. Relativamente ao pagamento de propinas a universidade mantém, mais uma vez, a possibilidade de pagamento em 10 prestações mensais e o Plano de Regularização de Dívidas por parte dos alunos em 36 prestações.”