Assunção Cristas quer país a seguir exemplo da Madeira na aquacultura

Assunção Cristas
Esta manhã, no Centro de Maricultura da Calheta.

A ministra da Agricultura e do Mar ficou satisfeita com o trabalho que está a ser feito na Madeira, em matéria de aquacultura, uma atividade que prevê duplicar a produção atual com a exploração de novas espécies para além da dourada. Assunção Cristas, que dedicou o dia de hoje a visitar algumas unidades a operar na Calheta e no Caniçal, espera que o exemplo da Região possa servir de estímulo a mais empresários nacionais, de forma a reduzir o peso das importações nas pescas.

Depois de conhecer in loco o trabalho do Centro de Maricultura da Calheta, tutelado pelo Governo Regional, e uma produção privada de piscicultura na Baía D’Abra, a ministra mostrou-se convicta de que a marca “dourada da Madeira” será uma referência na produção de peixe em cativeiro, a par dos países nórdicos, como a Noruega, na criação de salmão.

Visita às instalações da Ilha Peixe.
Visita às instalações da Ilha Peixe.

Assunção Cristas aproveitou o momento para sublinhar que os próximos tempos são de oportunidade no âmbito das pescas, já que o novo quadro de fundos comunitários, entre público e privado, prevê apoios na ordem dos 100 milhões de euros até 2020. “É muito dinheiro público e privado para ser bem aproveitado”, sustentou.

Assunção Cristas na Baía D’Abra.

No final desta rápida passagem pela Madeira, a convite da Ilha Peixe, empresa que explora a unidade do Caniçal, a ministra manifestou a sua satisfação pelos “bons frutos” que a aquacultura regional está a registar, com as previsões de crescimento das atuais 400 toneladas de dourada anuais para o dobro, uma projeção que assenta em duas grandes apostas a introduzir nesta indústria: produção de dourada biológica e diversificação de espécies (sargo e charuteiro).

A comitiva, que integrou elementos da Secretaria Regional da Agricultura e Pescas, visitou ainda a fábrica de processamento e embalamento de pescado da empresa Ilha Peixe, no Porto Novo. Uma estrutura que, em junho último, aquando da sua visita à Região, mereceu igualmente atenção especial da parte do primeiro-ministro Passos Coelho.