Presidente boliviano oferece crucifixo invulgar ao Papa Francisco

 

Presidente boliviano oferece crucifixo invulgar ao Papa Francisco Imagem: OSSERVATORE ROMANO / AFP - Getty Images
Presidente boliviano oferece crucifixo invulgar ao Papa Francisco
Imagem: OSSERVATORE ROMANO / AFP – Getty Images

*Com Lília Castanha

O Papa Francisco continua a sua visita pela América do Sul que iniciou no passado dia 5 de Julho no Equador.  Antes da partida de Roma, o porta-voz do Vaticano deu ênfase à oportunidade para o Sumo Pontífice  se exprimir na sua própria língua, já que é natural da Argentina. No Equador, a principal mensagem de Francisco foi sobre a temática da justiça social, do combate às desigualdades e da protecção da natureza.

Atualmente, o primeiro Papa latino-americano encontra-se na Bolívia, onde a visita papal foi notícia pela atitude do presidente boliviano Evo Morales de oferecer a Francisco uma foice e martelo com Cristo crucificado durante a recepção no palácio presidencial, em La Paz, perante a perplexidade do Papa. Esta oferta foi logo baptizada nas redes sociais como o  “crucifixo comunista”. O crucifixo é uma réplica da cruz usada pelo padre Luis Espinal, um missionário espanhol que foi morto no Chile por paramilitares em 1980. O canal da Euronews captou os momentos: https://www.youtube.com/watch?v=1yaNc-YFBYg

Ainda antes da entrega do controverso presente, a visita do Papa à Bolívia já estava a ser comentada devido ao líder da Igreja Católica ter bebido um chá com uma mistura de folhas de coca, camomila e sementes de anis no voo para La Paz, para o ajudar, assim como aos acompanhantes, a se adaptar à alta altitude da cidade, como reportou o jornal “The Guardian”. No aeroporto, o Papa foi recebido com uma bolsa tradicional com folhas de coca para mascar. Nada de anormal, já que a folhas de coca fazem parte da cultura dos povos nativos dos Andes há milhares de anos e são um antídoto para evitar os efeitos da tontura e da indisposição causados pela falta de oxigénio a quatro mil metros de altitude. Contudo, este gesto foi bastante notado pelo fato do cultivo e consumo de folhas de coca serem proibidos em vários países.

Esta é a segunda paragem do Papa num périplo por três países da América Latina, que se iniciou na segunda-feira no Equador e que termina no domingo no Paraguai.

A imprensa latino-americana realçou que o roteiro de cerca de 25 mil quilómetros pelo Equador, Bolívia e Paraguai foi traçado propositadamente pelo Papa argentino, que deu prioridade aos países mais pobres do continente,  estruturando uma agenda de contactos destinada a mostrar ao mundo os flagelos destas regiões, quer os seus povos sejam católicos ou não.

Francisco regressará ao continente americano em setembro, desta vez para visitar Cuba e os Estados Unidos.