Papa Francisco curva-se e lava os pés a 12 presos

Um Papa curvado a lavar os pés de presos em Roma. Um Papa que chega à prisão, abraça e beija os pecadores que estão detidos e que lhes diz que o perdão e a reconversão são possíveis. Assim é o Papa Francisco.

papa lava pés
Papa dá o exemplo de humildade, lavando os pés aos detidos. Foto Agência Ecclesia.

O Sumo Pontíficie continua a ser um sinal de mudança e da mais absoluta humildade. Neste tempo pascal, o Papa Francisco quis mostrar aos homens que Deus rejubila com os arrependidos e que a mudança dos homens é sempre possível e fascinante. Por isso, na tradicional Missa do Lava-Pés, ele próprio lavou, ontem, os pés a 12 reclusos do Complexo Prisional de Rebibbia, em Roma. Um ato simbólico para mostrar a qualquer homem que a mudança de vida é sempre possível.

O chefe da Igreja Católica, com a humildade que o caracteriza falou para 300 detidos italianos, durante a a Missa da Ceia do Senhor, querendo assumidamente apelar à reflexão e reconversão dos presentes. Um caminho difícil, penoso, mas possível.

O próprio Papa partilhou com os prisioneiros o desejo de que Deus o também possa purificar e apelou aos detidos que rezassem por ele.

Vem a este propósito à mente dos cristãos o Evangelho de São Lucas, com a sua lição extraordinária do perdão, que é sempre extensível a todos. Bastaria citar a parábola da “ovelha perdida” (MT, 18, 10-14), quando Jesus nos deixa uma lição inesquecível: “Digo-vos Eu: Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não necessitam de conversão”. Ou então, a histórica Parábola do Filho Pródigo: o pai que está sempre disposto a receber o filho ingrato, que regressa e lhe pede perdão, e o abraça e faz uma festa porque recuperou o seu filho perdido.