Estação de Kalamapur: adeus Bangladesh

Estação de comboios em Dhaka, Bangladesh
Estação de comboios em Dhaka, Bangladesh

Rui Marote (texto e fotos)

De malas arrumadas, gastando os ultimos cartuchos. Finalizamos com uma visita a estação de comboios de Kalamapur, que só tem uma ligação internacional, com a cidade de Calcutá, na Índia. Esperava uma grande movimentação, mas tudo se procedia normalmente.
O único guichet que se expressa em duas línguas é o que diz Dhaka -Kolkata, os restantes estão escritos apenas em bengali: para um europeu, nem é possível arriscar prognósticos de quais serão os destinos destes comboios.
Nas plataformas, as composições iam superlotadas. Havia quem arriscasse a boleia no telhado da carruagem, fugindo aos olhares dos controladores ferroviários.
Vendedores ambulantes abeiram-se das janelas dos vagões, vendendo pepinos e fruta refrescante numa manha solarenga. Há quem arrisque atravessar as linhas férreas de uma plataforma para outra, com bagagem à cabeça,alheios à saída ou entrada de comboios.
Lá vai o comboio, sempre a apitar, clamava Quim Barreiros. Aqui, a música é  outra: soa do alto das mesquitas o chamamento a oração.

Lei Seca

Há oito dias que não bebo uma cerveja ou um copo de vinho às refeições. A lei seca impera, ou não fosse o Bangladesh um pais muçulmano. Nem os hotéis estão autorizados à venda de álcool.
Quem não pode beber… que beba água. E tenho bebido muitos litros desse precioso líquido.
Às refeições, as ementas são sempre picantes e o caril está sempre presente.
Saborear um caril de camarão com água é um castigo! … O “incêndio” do picante é extinto com uma garrafa de água de litro e meio.
Resta-me aguardar pela companhia aérea dos Emirados Árabes: apesar de muçulmanos, as retrições estão banidas e as hospedeiras são muito gentis: em vez de uma garrafa de vinho, deixam duas.
Goodbye Bangladesh… Amanhã vou encerrar com a história deste país com 42 anos de vida.
Voltarei a estar convosco desde Beirute, no Líbano.

O guichet de ligação entre Dhaka e Calcutá: o único que um europeu ainda pode perceber O guichet de ligação entre Dhaka e Calcutá: o único que um europeu ainda pode perceber
O guichet de ligação entre Dhaka e Calcutá: o único que um europeu ainda pode perceber

Tudo para tentar viajar sem pagar
Tudo para tentar viajar sem pagar
À boleia no tecto da carruagem, à revelia do chefe de estação…
À boleia no tecto da carruagem, à revelia do chefe de estação…
Compras de última hora
Compras de última hora
Arriscando passar, enquanto o comboio não chega
Arriscando passar, enquanto o comboio não chega
Um comboio muito moderno de chegada a Dhaka
Um comboio muito moderno de chegada a Dhaka
Rui Marote, repórter fotográfico, viajante e já um perito em riquexós...
Rui Marote, repórter fotográfico, viajante e já um perito em riquexós…