Mãe de quadrigémeos continua à procura de um mecenas

 

quadrigemeos003

 A reportagem que o Funchal Notícias tem publicado sobre os quadrigémeos continua  a mobilizar a atenção da opinião pública. No entanto, Nélia Alves volta a esclarecer que o objetivo de eventuais donativos ou apoio de instituições são exclusivamente dirigidos aos quatro filhos, nomeadamente à continuação dos seus estudos.

A mãe dos quatro jovens, com 18 anos de idade, todos a frequentar o 12.º ano de escolaridade, considera que o ideal era encontrar um investidor ou um mecenas que, ao abrigo da lei do mecenato, se disponibilizasse a apoiar esta causa. “Nem os meus filhos nem a minha família têm intenções de viver à conta da solidariedade social. Nem é objetivo dos meus filhos deixar de trabalhar ou estudar por conta de qualquer auxílio que nos seja generosamente garantido”, esclarece esta progenitora.

Como é habitual nestas iniciativas que apelam à solidariedade, há sempre vozes que se levantam a pôr em dúvida a seriedade dos sentimentos de quem atravessa momentos efetivamente difíceis, suspeitando até das boas intenções da família que atravessa óbvias dificuldades ou então imputando considerações depreciativas e sem fundamento aos jovens que estudam no secundário.

Viúva, desempregada – apenas a trabalhar sazonalmente como guia turística – e com quatro filhos para criar, Nélia Alves enaltece e agradece as múltiplas manifestações de solidariedade e de carinho que a ajudam a caminhar em frente. Mas a verdade é que o problema de fundo continua por resolver e é sua intenção bater a todas as portas no sentido de encontrar uma solução concreta. A própria lembra que os estudos dos jovens não se resolve apenas com uma eventual bolsa de estudo porque as famílias conhecem bem as dificuldades que atravessam para pôr um filho a estudar numa universidade, nomeadamente os custos com propinas. Por isso, promete envidar esforços junto de beneméritos e mecenas no sentido de dar uma resposta aos anseios da sua família.