Dia Europeu do Antibiótico e Semana Mundial da consciencialização sobre os Antimicrobianos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou recentemente para a ameaça crescente do aumento da mortalidade relacionada com as Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde (IACS) e com a Resistência aos Antimicrobianos (RAM) e promove a Semana Mundial da consciencialização sobre os Antimicrobianos, de 18 a 24 de Novembro com o objectivo de anualmente, melhorar a compreensão da resistência aos antimicrobianos e encorajar as melhores práticas entre o público, os promotores da “One Health” e os formuladores de políticas, que desempenham um papel crucial na redução do surgimento e da disseminação das RAM.

Este ano, o tema é “Prevenindo juntos a resistência Antimicrobiana”, solicitando a todos os sectores que encorajem o uso prudente de antimicrobianos e fortaleçam as medidas para prevenir a RAM, trabalhando juntos de forma colaborativa, por meio de uma abordagem de saúde única, onde se inclui a saúde humana, animal e ambiental.

A nível europeu, o European Centre for Disease Control and Prevention (ECDC) também promove anualmente o Dia Europeu do Antibiótico, no dia 18 de novembro.

O ECDC estima que morrem por ano na União Europeia, 35000 pessoas por infeções causadas por bactérias resistentes aos antibióticos, estando esta estimativa a aumentar. O impacto destas infeções é comparável ao da gripe, tuberculose e vírus da imunodeficiência humana (VIH)/SIDA, no seu conjunto. As Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde correspondem a 70% destas infeções.

Entre as bactérias resistentes que têm vindo a aumentar destacam-se a Klebsiella pneumoniae e o Acinectobacter spp, sendo estas responsáveis por um aumento de 50% nas mortes. Apesar do consumo total de antibióticos utilizados na saúde humana ter vindo a diminuir, tem ocorrido um aumento no consumo de antibióticos de “largo espectro” e de “reserva”.

Portugal, através da Direcção-Geral da Saúde e do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos (PPCIRA), também promove ações neste âmbito, relançando a Campanha PORCAUSA, com o lema “Antibióticos – é Tudo ou Nada”.

A Região Autónoma da Madeira, através da Direcção Regional da Saúde (DRS) e das Unidade Regional e Unidades Locais do PPCIRA, promove igualmente esta Campanha, a qual tem como público-alvo o Cidadão, divulgando informação, através dos seus meios de comunicação.

A resistência antibiótica é uma “pandemia silenciosa” que ameaça a saúde humana.

Os antibióticos são medicamentos utilizados para tratar infeções causadas por bactérias e, portanto, não são eficazes contra a COVID-19, a gripe ou a constipação.

A resistência aos antibióticos ocorre quando as bactérias se adaptam ao uso destes medicamentos, tornando-se resistentes aos antibióticos, e portanto, tornam as infeções mais difíceis de tratar e aumentando o risco de transmissão, de doença grave e de morte. Como resultado da resistência aos antibióticos estes tornam-se ineficazes e as infeções tornam-se muito difíceis ou impossíveis de tratar.

A toma de antibióticos, não está apenas associada ao aumento das resistências aos microrganismos, mas pode causar outras reações adversas como diarreia, náuseas e reações da pele, entre outras.

Existem várias formas para lidar com esta ameaça, entre as quais se destacam: usar antibióticos de forma prudente e apenas quando necessário, manter boas práticas de prevenção e controlo da infeção, como por exemplo a lavagem das mãos, o rastreio de microrganismos multirresistentes e o isolamento de doentes infetados/colonizados e promover a investigação e o desenvolvimento de novos antibióticos.

Cada um de nós é responsável e pode fazer a diferença para controlar esta ameaça à saúde pública, alerta-se.