CMF afirma que quer dar mais apoios sociais a quem tem menos

A Câmara do Funchal afirmou que “quer dar mais a quem tem menos”, referindo-se aos apoios sociais. Durante as comemorações do 86 º aniversário da Casa do Povo de Santo António. o Presidente da Câmara Municipal do Funchal anunciou ontem que a autarquia vai alterar os regulamentos dos apoios sociais, para dar mais a quem precisa.

“Queremos continuar a melhorar a vida das pessoas, mas vamos centralizar os recursos para quem tem menos e vamos ser selectivos”, afirmou.

O autarca disse que o actual executivo tem vindo a reforçar os apoios sociais no sentido de garantir melhores condições de vida à população, contudo, sublinhou que “cada vez mais os recursos são limitados” e a Câmara  “não tem capacidade financeira para ajudar indiscriminadamente toda a gente”.

“Há pessoas que precisam mais e outras que precisam menos e os apoios serão atribuídos para aqueles que precisam”, insistiu, realçando que o objectivo é “dar mais a quem tem menos”.

Pedro Calado disse esperar que as pessoas que puderem também um dia devem  retribuir o apoio social em trabalho comunitário. “Nós damos, mas também estas pessoas tem o dever e a responsabilidade de ajudar socialmente em qualquer área que possam ser úteis”, considerou.

O presidente da autarquia enalteceu o trabalho que está a ser feito pela Casa do Povo e Junta de Freguesia de Santo António no apoio social às populações, manifestando total ajuda da autarquia para que possam continuar a fazer o trabalho de proximidade com as populações, ouvindo os problemas e apresentando soluções, sendo esta a forma de estar e que caracteriza a autarquia.

A Casa do Povo de Santo António foi a primeira a ter uma Loja do Cidadão descentralizada, estando assim mais próxima da população. 4 mil pessoas já trataram de assuntos neste serviço.