Santa Cruz anuncia criação de residência para vítimas de violência doméstica

Uma informação da edilidade santacruzense dá conta de que Filipe Sousa aproveitou a Reunião de Câmara Descentralizada em Gaula para anunciar uma série de investimentos naquela freguesia, já plasmados no Orçamento e Plano do próximo ano.

Uma delas, disse, será o aproveitamento da Escola da Fazenda, património municipal actualmente ao abandono, para criar um projecto social de âmbito concelhio: uma casa de autonomização para mulheres vítimas de violência doméstica.

O autarca frisou na ocasião a importância desta medida, pois é do conhecimento geral que as vítimas são muitas vezes obrigadas a se manterem no mesmo espaço do agressor, com os perigos que daí decorrem.

“Temos ali uma oportunidade única de sermos pioneiros na Região, num projecto que vamos candidatar a fundos europeus”, referiu.

Em Gaula, avançará também um projecto no Largo da Cerca, na Achada de Gaula, com a criação de um grande anfiteatro, que vai ainda contemplar uma nova dinâmica de circulação nas vias em volta.

Filipe Sousa garantiu que 2023 será um ano de investimento em todo o concelho.

Na reunião, o autarca respondeu ainda à Coligação Cumprir Santa Cruz, que apresentou uma declaração contra a anunciada criação de estacionamentos pagos em lugares que hoje são gratuitos. A coligação, pela voz da vereadora Angelizabel Freitas considerou a medida precipitada, prepotente e sem critério.

Filipe Sousa disse, pelo seu lado, ter a certeza de que aquele não é o verdadeiro sentir de alma da vereadora, e explicou que em política há que tomar medidas que não são sempre fáceis.

No caso dos estacionamentos pagos, declarou, trata-se de uma medida necessária, porque estacionamentos que deveriam ser  rotativos, são ocupados por rent-a-cars, e por trabalhadores de outros concelho que depois são transportados em carrinhas, prejudicando os moradores e o comércio.

Esta é assim uma medida de mobilidade que vai beneficiar o crescimento económico e a qualidade de vida de quem vive no concelho. “Não é uma questão de receita, porque a receita é mínima”, vincou.

Na reunião foram ainda aprovados os votos de louvor e atribuição de medalhas de mérito aos empresários Márcio Nóbrega, Adelino Paulo e José Alfredo Quintal.